1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mostra traz ao Brasil obras de Mondrian e do movimento De Stijl

- Atualizado: 04 Janeiro 2016 | 21h 08

CCBB-SP inaugura no dia 25 exposição que apresenta o percurso do artista até o neoplasticismo e criações de outros artistas

A partir do dia 25, a sala expositiva do terceiro andar do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de São Paulo será visitada como se fosse um “templo da arte moderna” – nela, apenas três pinturas do holandês Piet Mondrian, duas de 1921 e uma de 1937, apresentarão para o público brasileiro o auge do neoplasticismo desenvolvido pelo artista (e talvez elas estejam acompanhadas de um pouco de jazz ao fundo, uma paixão do pintor).

Já seria um grande fato a exibição, no País, dessas históricas composições feitas de linhas verticais e horizontais cruzadas e de blocos quadriláteros vermelhos, amarelos e azuis. Entretanto, as três telas, pertencentes ao Museu Municipal de Haia, na Holanda, integram um conjunto de cerca de 100 obras da mostra Mondrian e o Movimento De Stijl, que será apresentada até 4 de abril para o público paulistano e depois seguirá para Brasília, Belo Horizonte e Rio, onde encerrará sua itinerância em janeiro de 2017.

Mondrian e o movimento De Stijl
Gemeentemuseum, Dan Haag/Divulgação
Mondrian

'Composição com Grande Plano Vermelho, Amarelo, Preto, Cinza e Azul (1921), de Piet Mondrian

Para Piet Mondrian (1872-1944), o neoplasticismo era a expressão plástica do que considerava ser o “reconhecimento da emoção da beleza” – “cósmica”, escreveu em 1917, ela só poderia ser manifestada por meio de formas e cores “universais”. “O neoplasticismo não pode, portanto, manifestar-se como uma representação (natural) concreta, a qual sempre se refere mais ou menos ao individual”, definiu o holandês no ensaio publicado naquele ano na revista De Stijl (O Estilo), ligada ao movimento homônimo fundado por ele e pelo artista e arquiteto Theo van Doesburg (1883-1931).

“Mondrian tinha na cabeça o ideal de criar uma arte que faria algo para a humanidade”, diz Pieter Tjabbes, curador da exposição, ao lado de Benno Tempel, diretor do Museu Municipal de Haia, e Hans Janssen. A mostra, feita em parceria com a instituição museológica holandesa e a produtora Art Unlimited, da qual Tjabbes é sócio-diretor, tem caráter didático e apresentará não apenas todo o percurso do pintor holandês até o abstracionismo geométrico neoplasticista, como também os preceitos e as criações em diversos meios (fotografia, design, arquitetura e tipografia) de outros importantes artistas relacionados ao movimento De Stijl (pronuncia-se De Stél), entre eles, o arquiteto Gerrit Rietveld (1888-1964), autor da famosa cadeira de 1917/23 em vermelho, azul e com detalhes em amarelo, o designer Piet Zwart (1885-1977) e o pintor Bart van der Leck (1876-1958).

Foram cinco anos de negociações para que o Museu Municipal de Haia emprestasse, por um ano, as obras de sua prestigiada coleção para a exposição brasileira. “Hoje, a coleção de Mondrian deles é imbatível, nenhum outro tem tanta variedade e quantidade”, conta Pieter Tjabbes. O curador e produtor refere-se, principalmente, ao fato de a instituição holandesa ter um acervo expressivo sobre o caminho do pintor holandês desde a arte acadêmica e tradicional até o abstracionismo neoplástico – isso ocorreu graças à aquisição, anos atrás, de peças do colecionador Sal Slijper, mecenas de Mondrian – o autorretrato do artista presente na mostra foi pintado em 1918 a pedido do amigo.

Pieter Tjabbes, curador da mostra 'Mondrian e o movimento De Stijl', no CCBB-SP

Pieter Tjabbes, curador da mostra 'Mondrian e o movimento De Stijl', no CCBB-SP

Mondrian e o Movimento De Stijl é composta de dois eixos. O primeiro, dedicado ao pintor holandês e com cerca de 30 de suas criações, apresenta desde as composições figurativas do início de sua carreira, como a pintura de 1895/99, que representa uma fábrica de velas de cera à noite, até a neoplástica Composição de Linhas e Cor III, de 1937, que tem apenas um pequeno retângulo azul pintado entre retas cruzadas em preto sobre fundo branco.

Desde o começo interessado na relação das formas, Mondrian vai clareando sua paleta de cores e seu percurso figurativo também revela algumas influências como o pontilhismo de Seurat. “Ele pensava em volumes e as cores tinham para ele um efeito seja de retração ou de avanço”, explica Pieter Tjabbes. Quase como uma aula, a mostra também toma a figura da árvore, um tema caro a Mondrian e que vai se tornando cada vez mais estilizada (tronco e galhos viram elementos horizontais e verticais), para explicar o caminho do artista até a abstração – ou sua “busca por uma imagem espiritual”, diz o curador.

A árvore é também um símbolo de um percurso “idealista de fundo filosófico-religioso” do artista. “A teosofia é um fio condutor na vida de Mondrian”, afirma Tjabbes. A doutrina, que sintetiza as religiões do mundo, explica o curador, tem como princípio a ideia de que uma grande energia permeia tudo e todos os seres – Deus seria, portanto, uma unidade.

O segundo eixo da exposição, dedicado ao De Stijl (1917-1931), é multidisciplinar, mas suas obras mostram o mesmo idealismo. “É um movimento utópico, eles queriam mudar o mundo, a vida das pessoas, envolver a humanidade”, explica o curador.

MONDRIAN E O MOVIMENTO DE STIJL. CCBB-SP. Rua Álvares Penteado, 112, Centro, tel. 3113-3651. 4ª a 2ª, 9h/21h. Grátis. Até 4/4. Abertura no dia 25/1

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX