IARA MORSELL
IARA MORSELL

Morre aos 73 anos o artista plástico Felipe Ehrenberg

Ele lidou com questões essenciais da pós-modernidade

O Estado de S.Paulo

16 Maio 2017 | 21h31

O artista plástico mexicano Felipe Ehrenberg morreu na noite da última segunda-feira, 15, aos 73 anos. Ehrenberg tornou-se pintor, escultor e gravurista sob a tutela de mestres como Matthías Goeritz e José Chávez Morado. 

Artista, cronista, arquivista, professor, político, diplomata, editor, ator, organizador, viajante incansável foi fundador da prestigiosa editora Beau Geste Press e co-participante do movimento Fluxus durante sua permanência na Inglaterra (1968-1976), o artista lidou com questões essenciais da pós-modernidade, relacionadas com a construção da identidade nacional. 

Ele também questionou o sistema de informação, burocrático e institucional, e, acima de tudo, a imagem de seu próprio país. 

Enviado ao Brasil como adido cultural, radicou-se em São Paulo com sua mulher, Lourdes Hernández-Fuentes, em 2001. Felipe Ehrenberg tinha cinco filhos e 16 netos. Em 2015, declarou em entrevista ao jornal El Norte, que a morte não o assustava tanto.

Mais conteúdo sobre:
Inglaterra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.