DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

Miró estreia com fila longa mas calma

Público não encontrou problemas para ver as 112 obras do surrealista em sua exposição no Instituto Tomie Ohtake

Camila Molina, O Estado de S. Paulo

25 Maio 2015 | 05h00

O fluxo de visitação da mostra Joan Miró – A Força da Matéria em seu primeiro dia para o público no Instituto Tomie Ohtake foi intenso neste domingo. Entretanto, tranquilo. Uma pequena fila se fazia apenas na bilheteria da instituição, onde as pessoas compram o ingresso de R$ 10 para a exposição (às terças-feiras, a entrada será gratuita). Dentro do instituto, não havia aglomeração nas duas amplas salas dedicadas à apresentação de 112 obras do surrealista, um dos artistas mais populares em todo o mundo.

Apenas no período da manhã, quando a exibição foi aberta às 11h, o movimento foi massivo, segundo funcionários do local. Os visitantes podiam apreciar sem empecilhos o grande conjunto de pinturas, esculturas e gravuras do catalão, nascido em Barcelona, em 1893, e morto em Palma de Mallorca, em 1983. As peças, apresentadas agora no Brasil, foram realizadas por ele entre as décadas de 1930 e 1980 e pertencem aos acervos da Fundação Joan Miró de Barcelona e da família do espanhol.

“Vim para São Paulo para ver a exposição”, contou a advogada Marlene Brandão, de 34 anos, que mora em Campinas. “Nunca tinha visto uma mostra do Miró, mas tenho um amigo das artes plásticas que é muito influenciado por ele”, continuou a visitante. Ao lado da obra Mulher Sob o Luar, de 1970, Marlene comentou que lhe chamava a atenção a maneira como o pintor, escultor e gravador criava “figuras ambíguas de mulheres e pássaros”. “Tem uma referência à liberdade”. Sobre a cobrança do ingresso – é a primeira vez que o Instituto Tomie Ohtake cobra entrada para uma exposição – a advogada achou o preço “justo, acessível”.

Já para Raquel Brunstein, de 74 anos, “Miró fala muito da ingenuidade” em suas criações. “Ele tem muita pureza e a ingenuidade de uma criança. Sinto isso e me faz falta”, expressou. “Suas pinturas e esculturas parecem brincadeiras, não falo isso no sentido de baratear sua obra. É como se ele enxergasse o mundo com olhos mais puros e por isso prefiro ele a Picasso, apesar deste último ter sido um revolucionário”, disse ainda Raquel, que estava acompanhada do marido, Oswaldo Brunstein, de 83 anos. “É um grande mistério qualquer arte, a busca de elementos que digam sobre a beleza do mundo e que nos ajude a ver”, maravilhava-se Oswaldo, de São Paulo.

“Conhecia Miró, mas só vindo a uma exposição dele para ver que ele tinha um ponto de vista diferente”, afirmou a estudante Bruna Kamei, de 19 anos. Ainda no cursinho, preparando-se para estudar arquitetura, ela destacou a descoberta de uma tela na qual Joan Miró criou uma composição com seus livres traços sobre uma pintura de paisagem antiga comprada no mercado de antiguidades. 

O Instituto Tomie Ohtake, que bateu seu recorde de público com a exposição de outro surrealista espanhol, Salvador Dalí, vista por 537.754 pessoas entre outubro de 2014 e janeiro deste ano, não anunciou o número de frequentadores de Joan Miró – A Força da Matéria até o fechamento da reportagem. A mostra, um dos grandes destaques de 2015, ficará em cartaz em São Paulo até 16 de agosto, seguindo depois para o Museu de Arte de Santa Catarina, em Florianópolis, onde poderá ser vista de 2 de setembro a 14 de novembro.

Mais conteúdo sobre:
Artes Miró

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.