1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Metropolitan de Nova York está de mudança para um novo edifício

- Atualizado: 16 Março 2016 | 14h 40

A nova galeria também contará com um espaço para os artistas que o MET Breuer acolher em residência

As obras de arte moderna e contemporânea do The Metropolitan Museum (MET), em Nova York, saem do lugar onde sempre estiveram, na Quinta Avenida, para ficar, a partir desta semana, no edifício Breuer, da Avenida Madison.

A ideia do novo espaço projetado por Marcel Breuer na década de 60 é dar um respiro ao edifício principal ao leste de Central Park e receber, além das coleções de arte dos séculos XX e XXI, novas exposições, programas e iniciativas.

A ideia do novo espaço projetado por Marcel Breuer é dar um respiro ao edifício principal
A ideia do novo espaço projetado por Marcel Breuer é dar um respiro ao edifício principal

"Como reinventar um museu que tem 145 anos de história em um novo museu?", disse, diante de jornalistas, o presidente do MET, Daniel H. Weiss, referindo-se ao novo prédio, que será aberto na próxima sexta-feira.

Para estrear o espaço, o Breuer começará com a exposição Unfinished: Thoughts Left Visible (Inacabados: Pensamentos Deixados Visíveis), que reúne 197 obras, do Renascimento aos dias atuais, a propósito da eterna pergunta do artista sobre quando uma obra está realmente finalizada.

A mostra reúne clássicos como Ticiano Vecellio, Rembrandt Harmens van Rijn e Paul Cézanne, mas também artistas mais próximos à atualidade, como Lygia Clark, Jackson Pollock e Robert Rauschenberg.

"Unfinished é a pedra fundamental do programa de abertura do Breuer e a filosofia que há por trás", disse o executivo-chefe do MET, Thomas P. Campbell.

O MET Breuer também inaugura uma retrospectiva sobre um dos artistas emergentes da Índia posterior à independência, Nasreen Mohamedi, cuja obra passeia entre o modernismo e o abstrato, uma raridade na arte asiática. A mostra repassa desde seus primeiros trabalhos (1937-1990) até os últimos, nos anos 80, todos períodos marcados pela sutileza visual e pela complexidade conceitual.

O responsável do departamento de arte moderna e contemporânea do MET, Leonard A. Lauder, ressaltou que "um dos objetivos do Breuer é apresentar de forma mais cuidadosa e detalhada a os diferentes significados de arte moderna nas distintas geografias".

A nova galeria também contará com um espaço para os artistas que o MET Breuer acolher em residência. O primeiro a participar será o pianista e compositor nova-iorquino Vijay Iyer.

O custo anual do Breuer, que antes abrigava o Whitney Museum of American Art, será de US$ 18,8 milhões, aos quais é preciso somar US$ 16,6 milhões já desembolsados para melhorias no edifício e os custos com comunicação. Nesses últimos valores, não publicados, estariam também o montante para renovação da imagem e do logotipo do MET, algo controverso para os puristas porque elimina a "M" desenhado em 1971 como um diagrama do Homem Vitruviano, de Leonardo da Vinci, e é substituído por um mais contemporâneo "THE MET", que, pela primeira vez, ressalta o artigo "The".

Além disso, o compositor John Luther Adams recebeu a encomenda de fazer uma peça musical que dure exatamente nove minutos e nove segundos, o tempo calculado que uma pessoa leva, em média, caminhando entre a sede central do MET e o novo Breuer.

A administração do MET espera que a nova galeria na Madison traga mais lucro do que o proporcionado quando era parte do Whitney, onde registrava 350 mil visitas anuais (embora abrisse cinco e não seis dias por semana, como será agora).

Outra mudança na qual está trabalhando o MET é a ampliação de sua sede principal com uma nova ala que poderá ser concluída no próximo ano e que tem um orçamento de US$ 600 milhões.

Renovar é preciso, contudo o esforço econômico dessa reinvenção do MET prevê gerar neste ano um déficit de US$ 8 milhões ao museu, conforme reconheceu ao The New York Times o diretor da instituição, Dan Brodsky.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX