1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Itaú Cultural exibe obras de sua coleção de filmes e vídeos

- Atualizado: 16 Março 2016 | 09h 48

Mostra terá 19 trabalhos do acervo iniciado em 2011

No vídeo O Pintor Joga o Filme na Lata do Lixo, Cao Guimarães “materializa a imagem”. A obra, que registra a montagem de uma exposição, transforma-se em um exercício de metalinguagem do artista mineiro – um homem pinta uma parede para receber a projeção de um filme, mas, no fim da ação, ele, surpreendentemente, decalca a imagem projetada e a descarta no lixo, como diz o título. Cao Guimarães é um dos criadores mais destacados do campo do audiovisual brasileiro e seu trabalho de 2008, crítico ou autocrítico, foi um dos primeiros a integrar a coleção de filmes e vídeos de artistas do Itaú Cultural, iniciada em 2011.

Por enquanto, trata-se de um acervo em formação, como diz o curador Roberto Moreira S. Cruz, mas algumas características sobressaem da seleção das obras colecionadas pela instituição, delineando um perfil. “Acho que a coleção tem de ter aspecto antológico, no sentido de reunir o representativo”, afirma o doutor em comunicação e semiótica. No caso, Cruz refere-se ao fato de as criações adquiridas serem todas brasileiras – e, mais ainda, ao reunir trabalhos históricos ou contemporâneos (datados de desde a década de 1970), o conjunto indica um olhar específico para filmes e vídeos de uma linha mais “poética, conceitual, formalista e sensorial”.

Cena de ‘Sunday’, de Rivane e Sergio Neuenschwander
Cena de ‘Sunday’, de Rivane e Sergio Neuenschwander

É verdade que a temática social, também representativa da produção atual, será incorporada ao acervo em um segundo momento, como comenta o curador, entretanto, por este e pelos motivos já citados, a exposição Filmes e Vídeos de Artistas na Coleção Itaú Cultural, que será inaugurada nesta quarta-feira, 16, para convidados, vem a contribuir para uma oportuna reflexão sobre o gênero do audiovisual no terreno da arte no Brasil.

Ao todo, a mostra apresenta 19 trabalhos (quase a totalidade do acervo) assinados por nomes como Anna Bella Geiger, Regina Silveira, Rubens Gerchman, Nelson Leirner, Eder Santos, Brígida Baltar, a dupla Gisela Motta e Leandro Lima e, claro, Cao Guimarães. A exposição é aberta agora no prédio do Itaú Cultural em São Paulo depois de apresentada, desde 2012, em Belo Horizonte, Brasília, Belém, Recife, Curitiba e Porto Alegre. Chega, curiosamente, com quatro trabalhos recém-adquiridos: After a Deep Sleep (Getting Out), de 1985, de Rafael França; MAR, de 2008, de Letícia Ramos; Registros (Meu Cérebro Desenha Assim), de 1979, e Xeroperformance (Xerofilme), de 1980, ambos de Paulo Bruscky.

Contemplação. De início, a expografia de Filmes e Vídeos de Artistas na Coleção Itaú Cultural indica considerações sobre o tema. Com o espaço expositivo aberto e neutralizado e tendo as obras projetadas simultaneamente, a mostra propõe uma circulação livre do espectador. É a imagem, portanto, que capta o visitante para a contemplação. “Foi um exercício de composição montar a exposição em tantos espaços diferentes”, conta Cruz. O trajeto inicia-se com uma cuidadosa linha do tempo sobre a “trajetória do audiovisual experimental no Brasil” desde as décadas de 1920 e 30 com a citação aos cineastas Alberto Cavalcanti e Mário Peixoto.

Logo depois, a primeira sala traz o núcleo histórico da coleção, que tem como um de seus trabalhos mais emblemáticos o vídeo Marca Registrada (1975), de Leticia Parente. Os filmes Triunfo Hermético (1972), de Gerchman, e Homenagem a Steinberg – Variações sobre um Tema de Steinberg: as Máscaras N.º 1 (1975), de Leirner, são destaques da criação em super 8 da época, assim como o trabalho de Rafael França indica a atenção para uma lacuna da coleção, a produção brasileira dos anos 1980.

Como o acervo também dialoga com a formação, desde o fim dos anos 1990, de um mercado no cenário brasileiro de arte para obras audiovisuais. Sendo assim, destacam-se criações como Amoahiki – Árvores do Canto Xamânico (2008), de Gisela Motta e Leandro Lima, Translado (2008), de Sara Ramo, e Planeta Fóssil (2009), de Thiago Rocha Pitta. Para contribuir com a reflexão, ainda, será realizado um seminário internacional no dia 23, a partir das 17h30, com a presença de especialistas como Cristina Cámara Bello, curadora do departamento de cinema e vídeo do Museu Reina Sofia de Madri.

FILMES E VÍDEOS DE ARTISTAS

Itaú Cultural. Av. Paulista, 149, tel. 2168-1776/1777. 3ª a 6ª, 9h/ 20h; sáb. e dom., 11h/20h. Grátis. Até 22/5. Abertura dia 17/3

 

Instituição expõe acervo de livros em Ribeirão Preto

Ao mesmo tempo em que apresenta a sua coleção de filmes e vídeos em São Paulo, o Itaú Cultural também vai inaugurar neste sábado, 19, no Instituto Figueiredo Ferraz, em Ribeirão Preto, a mostra Narrativas em Processo, com seleção de obras de seu acervo de livros.

“Interessa apresentar e discutir a transformação do formato de livro que os artistas produziram, em especial no Brasil, ao longo de quase 150 anos”, conta o curador da exposição, Felipe Scovino. “O livro para além de conter histórias e narrativas atreladas à palavra, passa a problematizar o seu próprio espaço de ação – a página – e o seu formato e as intervenções gráficas, plásticas e conceituais que os artistas realizam também se constituem como um campo de provas para as suas trajetórias.”

Entre as 65 peças selecionadas para a mostra, que fica em cartaz até 21/5, há desde históricas como as criações de Ângelo Agostini (1843-1910), passando por edições ilustradas por artistas como as edições de Dostoiévski por Axl Leskoscheck; e trabalhos de criadores contemporâneos como Waltercio Caldas, Barrio e Odires Mlászho.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX