Acervo Fundação José e Paulina Demirovsky
Acervo Fundação José e Paulina Demirovsky

Galerias brasileiras investem na conquista do mercado exterior

Mostras de Tarsila do Amaral e Alfredo Volpi podem valorizar obras de artistas nacionais

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S.Paulo

04 Fevereiro 2018 | 06h00

Dois fenômenos relacionados ao mercado de arte brasileiro podem mudar a posição de artistas históricos como Tarsila no cenário internacional: a inclusão de seus nomes na pauta dos grandes museus estrangeiros e a rápida ascensão das galerias brasileiras do chamado mercado secundário – o de revenda. Uma exposição num museu de renome pode significar um salto extraordinário na cotação desses artistas, como aconteceu com Mira Schendel (1919-1988) após exposições póstumas no Jeu de Paume de Paris (2001) e no MoMA de Nova York (2009). E certamente vai acontecer com a modernista Tarsila do Amaral (1886-1973) após a exposição que o Museu de Arte Moderna de Nova York abre no dia 11, reunindo 120 obras.

Quem está por trás da mostra, o curador venezuelano Luis Pérez-Oramas, conhece bem a arte dos modernistas brasileiros. Mas a cocuradora Stephanie d’Alessandro mal ouvira falar de Tarsila. Não era conhecedora de sua obra, apresentada a ela pela sobrinha-neta da artista.

Poucos artistas brasileiros têm, aliás, trânsito internacional. Até mesmo Volpi (1896-1988), um dos grandes pintores modernos e um dos mais caros no mercado nacional, encontrava até recentemente certa resistência de colecionadores estrangeiros – situação que mudou, sendo um exemplo disso a primeira exposição do pintor nos EUA, em dezembro do ano passado, na galeria Gladstone, em Nova York. Metade da exposição foi vendida. Isso animou as galerias brasileiras do mercado secundário: no dia 8, graças a uma iniciativa da Galeria Almeida e Dale, o Museu Nacional de Mônaco inaugura uma grande mostra de Volpi. Hoje, a cotação internacional de uma tela de dimensões médias do pintor varia entre US$ 250 mil e US$ 350 mil. Depois da exposição em Mônaco, esse valor deve dobrar.

+++ Tarsila do Amaral ganha primeira exposição importante nos EUA

A experiência de Tarsila do Amaral com o mercado não foi das mais felizes depois dos anos 1931, quando se filiou ao Partido Comunista. Na época, ela até vendeu uma tela, por 5 mil rublos, para o governo soviético (O Pescador, de 1925, hoje no acervo do Hermitage de São Petersburgo). Contudo, os 30 anos seguintes foram de penúria, vendendo pouco. Pode-se dizer que só depois de 1961 sua obra modernista foi redescoberta e valorizada, especialmente quando Ciccillo Matarazzo doou toda sua coleção (e a de Yolanda Penteado) para a USP (hoje no acervo do MAC). Um ano depois, Tarsila participou da 32.ª Bienal de Veneza – e isso contou mais pontos entre os colecionadores. Com a compra de sua tela Abaporu (1928), ícone do movimento antropofágico, pelo argentino Eduardo Costantini, em 2001, seu preço disparou – Abaporu custou ao colecionador US$ 1,3 milhão (hoje vale algo em torno de US$ 45 milhões).

A exposição de Tarsila em Moscou, em 1931, no Museu de Artes Ocidentais, não foi a única fora do Brasil. Nos anos 1920, a pintora expôs duas vezes em Paris, na mesma galeria, a Percier. Na primeira, em 1926, a maioria das telas era da fase pau-brasil (1924 a 1925), menos A Negra (1923), que está na exposição do MoMA.

Mais conteúdo sobre:
Tarsila do Amaral Alfredo Volpi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.