Pathe/ Reuters
Pathe/ Reuters

Exames de DNA comprovam que espanhola não é filha de Salvador Dalí

Maria Pilar Abel iniciou um processo de paternidade no qual alegou que sua mãe teve um caso com o artista

Angus Berwick e Alba Asenjo, Reuters

07 Setembro 2017 | 12h08

Exames de DNA feitos no corpo exumado de Salvador Dalí mostraram que uma espanhola que abriu um processo de paternidade contra o artista não é sua filha, disse a fundação do pintor surrealista nesta quarta-feira.

O tribunal que supervisionou os testes informou os advogados da fundação que Maria Pilar Abel não é filha biológica de Dalí depois de comparar seu DNA com amostras dos restos mortais, disse a entidade em um comunicado.

Um porta-voz da corte não quis confirmar os resultados dos exames.

Contatada por telefone, Abel disse ainda não ter recebido os resultados do tribunal.

Em junho, a corte de Madri ordenou que cientistas forenses exumassem o corpo de Dalí, já que Abel, nascida em Figueres, cidade-natal do artista, iniciou um processo de paternidade no qual alegou que sua mãe teve um caso com Dalí.

“Esta conclusão não é uma surpresa para a fundação, já que em nenhum momento surgiu indício de que ela era uma parente”, afirmou a fundação, que administra o espólio do pintor.

“A fundação está contente por isso colocar um fim em uma controvérsia absurda e artificial”.

Dalí, que morreu em 1989 aos 84 anos de idade, foi um dos artistas mais famosos e facilmente reconhecíveis do século 20. Entre suas pinturas está “A Persistência da Memória”, conhecida por suas imagens emblemáticas de relógios derretidos. Ele também se aventurou no cinema, na escultura e na publicidade.

 

Mais conteúdo sobre:
Salvador Dalí Artes Visuais Paternidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.