Em debate, o lugar da fotografia

Começa hoje no Itaú Cultural o 1.º Fórum Latino-Americano sobre o gênero fotográfico, evento acompanhado de exposição

Camila Molina, O Estadao de S.Paulo

02 Outubro 2007 | 00h00

Não existe política pública para fotografia, como defende o fotógrafo Iatã Cannabrava. ''''Não seria o caso de existir um Instituto Nacional de Fotografia, como existe no México? De quem é a responsabilidade da preservação da produção fotográfica contemporânea, dos anos 80 em diante, por que se pensa somente na preservação do material fotográfico do século 19 e do início do século 20?'''', indaga Cannabrava, idealizador do 1º Fórum Latino-Americano de Fotografia de São Paulo - Paralelos e Meridianos da Latinidade, que ocorrerá entre hoje e sábado no Itaú Cultural. As questões acima são algumas de tantas outras que serão debatidas durante toda a semana nesse evento (com entrada gratuita, necessário apenas retirar senha com meia hora de antecedência), que traz 72 convidados (36 brasileiros e 36 estrangeiros). E ainda acompanhando o Fórum, será inaugurada hoje no Itaú Cultural a mostra Sutil Violento. Com curadoria de Cannabrava, a exposição reúne cerca de 50 fotos de 16 autores nacionais e internacionais. Em abril do ano passado, Cannabrava apresentou ao Itaú Cultural sua idéia de realizar um fórum sobre a fotografia. O projeto foi ganhando maior vulto e até a exposição foi tendo corpo próprio. ''''O tema da mostra, Sutil Violento, não é tratar de maneira tradicional a questão da violência, o que o fotojornalismo já faz muito bem. A idéia é mostrá-la por meio de novas linguagens, como coisa oblíqua, com seus matizes'''', diz o curador. As imagens selecionadas são, na maioria, de grande formato (as obras da argentina Ananké Asseff, por exemplo, têm o tamanho real de figuras humanas). A mostra depois vai itinerar. ''''É a primeira oportunidade de reunir nomes do campo da fotografia da América Latina no Brasil, um país que parece não ter uma sensação completa de latinidade'''', diz Cannabrava, coordenador do fórum, que convidou para ajudá-lo na empreitada curatorial um conselho formado pelo curador espanhol Alejandro Castellote, o professor e pesquisador Claudi Carreras, pelo fotógrafo argentino Marcelo Brodsky e pela crítica brasileira Simonetta Persichetti, colaboradora do Estado. ''''Não há a questão da identidade latino-americana na fotografia presente nos temas do fórum. O que existem são elos entre os países da América Latina e precisamos sentar para conversar'''', diz Cannabrava. As mesas tocarão em assuntos diversos: a questão da fotografia documental; o crescente mercado da produção fotográfica; o lugar da fotografia dentro das artes visuais; a necessidade de políticas públicas; o boom da foto digital; e, por fim, ''''discutir a própria realização do fórum'''', diz o coordenador. Importante também destacar a presença de diversos fotógrafos, que ministrarão workshops (infelizmente, as inscrições estão esgotadas) e falarão com o público dentro dos programas Relatos de Experiências e Entrevistas (Miguel Rio Branco, Susan Meiselas, Marcos López e Martin Parr serão entrevistados numa espécie de ''''talk-show''''). Mais informações no site www.itaucultural.org.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.