EFE/Sebastião Moreira
EFE/Sebastião Moreira

'Elephant Parade', exposição pela preservação dos elefantes, chega a São Paulo

Mostra ao ar livre faz parte do projeto liderado pelo artista holandês Mike Spits

EFE

02 Agosto 2017 | 10h29

Ao todo, 85 esculturas coloridas de elefantes enfeitam a partir desta terça-feira, 1, as ruas de São Paulo na mostra Elephant Parade, que tenta chamar a atenção para a preservação dos animais.

A exposição ao ar livre faz parte do projeto liderado pelo artista holandês Mike Spits, que teve a ideia quando foi à Tailândia em uma viagem de férias e conheceu Mosha, um bebê elefante que aos seis meses perdeu uma das patas dianteiras ao pisar uma mina terrestre. Spits, então, decidiu fazer a exposição para arrecadar fundos para comprar de uma prótese para o filhote e o projeto se expandiu a outros países.

A Avenida Paulista concentra a maior parte das obras, criadas com criativos e inusitados desenhos e no tamanho real de bebês elefantes por artistas brasileiros mediante a apresentação e posterior seleção de mais de 400 projetos, processo que começou no final do ano passado. De acordo com a organização, além das esculturas das ruas, algumas serão expostas no Shopping Ibirapuera em setembro.

Em outubro, as obras serão leiloadas e o dinheiro arrecadado será revertido a programas de preservação de elefantes apoiados pelo grupo em oito países, a entidades beneficentes de São Paulo e aos próprios artistas. A exposição também permite o patrocínio de obras por parte da iniciativa privada.

Desde 2007, a mostra já passou por Reino Unido, Itália, Holanda, Bélgica, Alemanha, França, Dinamarca, Japão, Estados Unidos, China e Cingapura. Em 2015, a Elephant Parade desembarcou em Florianópolis. Ao todo, 20 cidades de todo o mundo já receberam a manada e em 2010 Londres catalogou a exposição como o evento do ano.

Com um metro e meio de altura e 35 quilos, cada obra aproximadamente, a Elephant Parade já exibiu 1,5 mil esculturas, sendo uma delas leiloada por R$ 675.500, segundo dados divulgados pelos organizadores. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.