E o palhaço Adam Sandler prova que é grande ator dramático

Pode-se pegar carona no filme de Guilherme de Almeida Prado, Onde Andará Dulce Veiga?, para formular outra pergunta - onde andará Paul Thomas Anderson? O talentoso diretor de Boogie Nights - Prazer sem Limites e Magnólia anda meio sumido, após o fracasso de público e, por que não admiti-lo?, de crítica de Embriagado de Amor. O filme passa hoje às 22 horas no People + Arts. Se você for à internet, verá que Paul Thomas Anderson não está parado, mas seus novos trabalhos estão demorando para surgir. Vale (re)ver Embriagado de Amor, com Adam Sandler no papel de sua vida, confirmando que palhaços, muitas vezes, são capazes de grandes atuações dramáticas. Jim Carrey que o diga. Ele não é menos do que excepcional em O Show de Truman e O Mundo de Andy. Embriagado de Amor conta a história desse sujeito tímido que vive oprimido pelo matriarcado dentro da própria família. Ele é o único varão numa família de sete irmãs. Solitário (e consumido pelo desejo), ele liga para um desses serviços de sexo por telefone e passa a ser perseguido pelo personagem de Philip Seymour Hoffman, o ator-fetiche do diretor. Hoffman é ótimo, como sempre, mas o filme é de Sandler.

Luiz Carlos Merten, O Estadao de S.Paulo

04 Outubro 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.