Baú de panos e lendas

Mostra reúne figurinos dos premiados programas infantis da TV Cultura, que em breve exibe uma Vila Sésamo repaginada

Flávia Guerra, O Estadao de S.Paulo

04 Outubro 2007 | 00h00

Agora é certo. No próximo dia 29, o lendário Garibaldo volta à tela da TV brasileira, com a estréia do novo Vila Sésamo, na TV Cultura. Personagem que conquistou as crianças dos anos 70, o pássaro brincalhão sempre foi a estrela de Vila Sésamo, infantil que revolucionou a maneira de se produzir TV para crianças. Criado há mais de 30 anos pela organização norte-americana Sesame Workshop, estreou no Brasil em 1972 e foi sucesso absoluto de público e crítica até 1977, quando saiu do ar. Nos dois primeiros anos, era uma co-produção entre a TV Cultura e a TV Globo. Depois, passou a ser exibido só pela Globo. Para alegria dos adultos que cresceram assistindo aos bonecos Garibaldo, Funga-Funga e Elmo e viram Sônia Braga despontar para a carreira, neste ano, o programa, já exportado para mais de 120 países, voltou a ser produzido pela TV Cultura e reestréia não só com os personagens originais como também com um totalmente brasileiro: a boneca Bebel. Por questões contratuais, a TV Cultura não pode revelar mais detalhes do novo programa. Mas é fato que Garibaldo volta repaginado ao Brasil. Em vez de azul, reaparece como é originalmente: amarelo. ''''Ele só era azul aqui porque a nossa TV ainda era preto-e-branco nos anos 70 e esta cor era melhor para a transmissão. Hoje, com a TV em cores, não há por que não ser da cor original. E ele está lindo'''', conta a figurinista Isabela Teles, curadora da exposição e coordenadora do núcleo de figurinos da TV Cultura. Mas por onde andará o velho Garibaldo? Até cerca de seis meses atrás, ele andava literalmente depenado. ''''Confesso que quando o encontrei nos arquivos do figurino da TV Cultura, fiquei emocionada. Eu sou da geração que assistiu ao Vila Sésamo original e fiz questão de literalmente virar o Garibaldo do avesso e trazê-lo de novo à vida. Foi todo reconstruído. Estava maltratado. Olhinhos pendurados. Ele é importante. Não pode mofar'''', conta Isabela. Não pode. E não vai. A partir de hoje o Garibaldo ''''pré-histórico'''', que era ''''interpretado'''' pelo ator Laerte Morrone, vai poder ser revisto pelos antigos fãs e conhecido pela nova geração. Ele é a estrela da exposição Infância e Fantasias, que será inaugurada hoje para convidados na Caixa Cultural. A exposição, que tem sua abertura coincidindo com o Mês das Crianças, apresenta 40 figurinos originais e faz parte de um projeto mais amplo de resgate e restauro do acervo dos premiados e já clássicos programas infantis da Cultura. ''''O trabalho de reforma e da concepção da exposição começou há cerca de seis meses, mas o projeto de restauro existe já há dois anos'''', conta Isabela, que, com sua equipe, botou a mão nas linhas e nas agulhas para também restaurar o figurino de personagens como Nino, Etevaldo e Penélope de Castelo Rá-Tim-Bum; a menina Nina e o cientista Perônio (irmão do Tíbio) de Rá-Tim-Bum, entre outros. Além da indumentária dos personagens, Infância e Fantasia traz uma mostra de fotos e cenas dos antigos programas. As cenas, aliás, são uma atração à parte. Monitores, ou ''''TVs bonecos'''', vão exibir continuamente imagens históricas não só de Vila Sésamo como também de Bambalalão (no ar de 1980 a 1991), Curumim (de 1981 a 1983), Catavento (de 1985), X-Tudo (de 1992), Glub-Glub (de 1992) e vários outros. Do cenário da exposição, que ocupa o térreo do prédio da Caixa, ainda brota uma árvore cujos frutos são criativos monóculos. Basta olhar pelo olho mágico de cada um dos frutinhos para viajar até a época em que a cena de cada programa foi clicada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.