1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Arquiteto chileno Alejandro Aravena ganha o Pritzker

- Atualizado: 13 Janeiro 2016 | 18h 11

Júri do prêmio considerado o Nobel da Arquitetura destaca a responsabilidade social de seus projetos; veja galeria de suas obras

O arquiteto chileno Alejandro Aravena, vencedor do Pritzker
O arquiteto chileno Alejandro Aravena, vencedor do Pritzker

O chileno Alejandro Aravena foi contemplado com o prêmio Pritzker 2016 por seu trabalho no campo da arquitetura que “conjuga de maneira hábil a responsabilidade social, as necessidades econômicos e o design de hábitats humanos” e ofereceu “obras excelentes” tanto no âmbito público como no privado. Uma arquitetura comprometida que o levou a trabalhar tanto em seu país de origem como em outros, com projetos de diferentes escalas, desde casas a grande edifícios corporativos.  

“Tem compreensão dos materiais e da construção, mas também da importância da poesia e do poder da arquitetura para se comunicar em muitos níveis”, afirmou o júri. Aravena “pratica uma arquitetura inteligente tanto em termos de projetos privados como de âmbito público e encarna o ressurgimento de um arquiteto mais comprometido com o social”, declarou em Chicago o presidente da Fundação Hyatt, Tom Pritzker.  Aos 48 anos de idade, Aravena substitui o alemão Frei Otto, que recebeu o prêmio no ano passado, e é o quarto arquiteto latino-americano a ser contemplado com este que é considerado o Nobel da arquitetura, depois do mexicano Luis Barragán (1980) e os brasileiros Oscar Niemeyer (1988) e Paulo Mendes da Rocha (2006).  

“O júri selecionou um arquiteto que aprofunda nossa compreensão do que é verdadeiramente o grande projeto”, disse Pritzker, acrescentando que Aravena “foi o pioneiro em uma prática de colaboração que produz poderosos trabalhos de arquitetura, além de abordar os grandes desafios do século 21”.  Seu trabalho “oferece oportunidades econômicas aos menos privilegiados, abranda os efeitos de desastres naturais, reduz o consumo de energia e proporciona espaços públicos de lazer. Inovador e inspirador, ele mostra como a melhor arquitetura pode melhorar a vida das pessoas”.  

“Nenhum êxito é individual. A arquitetura é uma disciplina coletiva. Por isso pensamos, com gratidão, em todas as pessoas que contribuíram para dar forma a uma enorme diversidade de forças em jogo”, afirmou Aravena ao ser informado do prêmio.  “O prestígio, o alcance e o peso do prêmio são tão grandes que pretendemos usar este momento para explorar novos territórios, enfrentar novos desafios e entrar em outros campos de ação”, acrescentou o arquiteto em nome do grupo Elemental, que dirige em Santiago e que se concentra em projetos de impacto social e interesse público.  

A obra do arquiteto chileno Alejandro Aravena
Cristobal Palma/ELEMENTAL/AP
Aravena

Projeto de Alejandro Aravena para a Universidade de St. Edward's em Austin, Texas

Depois de receber o prêmio, seu plano “é não ter um plano, mas esperar o incerto, estar aberto ao inesperado”, acrescentou o arquiteto, reconhecendo que “todos estão aturdidos, extasiados e felizes”.  

O júri do prêmio Pritzker, presidido por Lorde Peter Palumbo, citou os edifícios projetados por Aravena para a Universidade Católica do Chile em Santiago.  Entre seus trabalhos estão o Centro de Innovación UC - Anacleto Angelini (2014), as Torres Gêmeas (2005), a Faculdade de Medicina (2004), a Faculdade de Arquitetura (2004) e a Faculdade de Matemática (1999).

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX