Acervo de fotos de d. Pedro II é exposto no Rio

Acervo de fotos de d. Pedro II é exposto no Rio

Biblioteca Nacional abriga exposição com 35 mil itens

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2017 | 06h00

Correções: 31/10/2017 | 16h55

RIO - Todo mundo aprendeu na escola que d. Pedro II (1825-1891) era culto, estudioso, amante das artes e nutria profundo interesse por fotografia e outras novidades tecnológicas de seu tempo. O que pouca gente conhece é a majestosa coleção de fotos que o monarca legou à Biblioteca Nacional, com destaque para os registros dos vestígios de civilizações antigas. Um pequeno, porém valioso recorte desse conjunto, de 35 mil itens, está na exposição Uma viagem ao mundo antigo – Egito e Pompeia – nas fotografias da Coleção D. Thereza Christina Maria, que a casa bicentenária abre na segunda-feira (30).

Esta é a primeira vez que esse material é exibido na biblioteca, que recebeu a coleção em 1892, depois da morte de d. Pedro II. As 119 imagens escolhidas ilustram as passagens do imperador e da imperatriz Thereza Cristina pelo Egito e pelo sítio arqueológico de Pompeia, na Itália (terra de Thereza), entre 1871 e 1888. A maior parte, porém, é de fotografias que d. Pedro II comprava de mercadores para robustecer seu acervo particular. 

“D. Pedro II formou a maior coleção de documentos fotográficos do século 19 que um governante jamais teve. A da rainha Vitória, da Inglaterra, sua contemporânea, por exemplo, não é significativa”, diz o historiador de fotografia Joaquim Marçal, curador da mostra. “Ele era órfão de mãe desde um ano de idade, e perdeu o pai aos nove. Foi educado por um grupo de tutores e mestres que lhe proporcionaram sólida formação. Tornou-se um humanista, fascinado pela história do nosso passado. Sabia que o homem pode aprender muito assim.”

A exposição desnuda diferentes processos fotográficos desenvolvidos a partir dos anos 1820-1830, como o daguerreótipo, e de reprodução, caso do papel albuminado, que usava a proteína extraída da clara do ovo. Funcionário da BN desde os anos 1980, Marçal participou do grupo que primeiro se ocupou do material, e trabalhou na exposição de 2003. A maioria dos registros, ele garante, ninguém nunca viu.

Se até hoje nos perguntamos como os egípcios conseguiram erguer as pirâmides, no século 19 a curiosidade e o deslumbramento pelas populações do Oriente Médio, seus hábitos e conhecimentos de arquitetura eram ainda maiores. As expedições fotográficas da Europa para lá eram frequentes, e o comércio das imagens resultantes aguçava o apetite do imperador colecionista.

A exposição propicia uma imersão na antiguidade. Pirâmides, esfinges e monumentos erguidos pelos povos estabelecidos às margens do rio Nilo, por volta do ano 5000 a.C., e que desenvolveram a primeira civilização conhecida da história da humanidade; as ruas reveladas pelas escavações em Pompeia, os corpos das pessoas soterradas pela erupção do vulcão Vesúvio, no ano 79 d.C. – tudo está documentado em fotografias de qualidade impressionante. Em dois registros já conhecidos, d. Pedro II e d. Thereza aparecem junto à esfinge egípcia de Gizé, em 1872, e em meio a ruínas em Pompeia, em 1888.

O deleite de d. Pedro II em suas aventuras de navio está descrito em seus diários, nos quais desenhava em detalhes o que mais lhe impressionava. Alguns trechos foram destacados na exposição. “Às 7 ancoramos perto da margem esquerda e um pouco a montante de Manfalout (no Egito). Esteve admirável o crepúsculo com os seus matizes esverdeados e vermelho-claro. (...) Antes de dormir, estudo a gramática hieroglífica de Brugsch”, escreveu em 1876, citando o célebre egiptólogo alemão Heinrich Karl Brugsch. 

“Desembarcando às 6 ½ , parti montado em burrico, de modo muito característico – o cavalo e o camelo só figuram nos monumentos egípcios depois da décima dinastia (3000 a.C.)”, diz outra anotação, digna de um estudioso do assunto.

“D. Pedro II não fazia turismo. Para ele, toda e qualquer viagem tinha status de expedição, na qual procurava desvendar as questões levantadas a partir das leituras e estudos de escritório”, explica Maurício Vicente Ferreira Jr., diretor do Museu Imperial, que fica no palacete de Petrópolis que era a residência de verão de d. Pedro II, e que guarda o principal acervo do País relativo ao império brasileiro (lá estão os diários). 

“Eles revelam o interesse de um cientista amador apaixonado pelas civilizações da Antiguidade. Nas duas viagens ao Egito, em 1871 e 1876, ele foi acompanhado de dois egiptólogos famosos, Brugsch e (o francês) François Auguste Ferdinand Mariette, para debater sobre as pirâmides, os hieróglifos e temas da cultura local. Na viagem de 1876, por exemplo, visitou as 18 pirâmides do Baixo Egito, com outros especialistas.”

Trancados em caixas metálicas acondicionadas na biblioteca por longos cem anos, sem qualquer manuseio, os álbuns de d. Pedro II só vieram à tona em 2003, na mostra de nome autoexplicativo De volta à luz, em São Paulo. Da morte dele, em 1892, quando se oficializou a entrega, até o século seguinte a catalogação dos guardados não havia despertado interesse na casa, e também faltavam recursos para tratá-los com os cuidados de que necessitam. 

Composta também de livros, periódicos, mapas, estampas e partituras, a Coleção D. Thereza Christina Maria foi a maior doação feita à BN, fundada como Real Biblioteca em 1810, dois anos após a chegada do avô de d. Pedro II, d. João VI, ao Brasil. É tão relevante que foi incluída pela Unesco no Registro Internacional da Memória do Mundo. 

A presidente da BN, Helena Severo, acredita que o público que visita o prédio da Cinelândia (centro do Rio) tem interesse especial nos documentos raros que ele guarda. “Exposições como essa aumentam nosso público”, conta Helena. “Além das pessoas que frequentam nossas instalações para pesquisar ou apenas para ter contato com o prédio histórico, há um interesse especial em torno de documentos raros do acervo. É importante tirar essas obras da reserva técnica, como fazem todas as bibliotecas nacionais do mundo.” A exposição fica em cartaz até 30 de janeiro, e deve receber cinco mil pessoas.

Correções
31/10/2017 | 16h55

Corrigida a palavra 'contemporânea', que anteriormente estava como conterrânea

"D. Pedro II formou a maior coleção de documentos fotográficos do século 19 que um governante jamais teve. A da rainha Vitória, da Inglaterra, sua contemporânea, por exemplo, não é significativa"

Mais conteúdo sobre:
Fotografia História

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.