Sonhos e Cobiça

Sonhos e Cobiça

Oscar Quiroga

11 Outubro 2012 | 22h36

Das 22h36 de quinta-feira 11-10-12 até 22h49 de sexta-feira 12-10-12, horário de Brasília, a Lua que míngua em Leão está em trígono com Plutão, conjunção com Vênus e quadratura com Júpiter.

Nossa humanidade andou substituindo seus sonhos pela cobiça e pagando o preço alto por isso, pois enquanto os sonhos servem para continuar ampliando as conexões entre si e com todos os outros reinos da natureza, a cobiça, que se apossa do sonho e adquire seu ar, representa tudo que produz isolamento, exploração e, em última instância, todas as maldições que circulam à solta e que subvertem a saúde, física e psíquica, de todas as famílias.

Uma coisa é o fervor sagrado dos sonhos, outra diferente é a avidez da cobiça, que pouco se importa se espalhar maldições e malefícios ao seu andar, o único que lhe interessa é continuar brincando de acumular recursos, independente de isso não significar nenhuma melhoria para o mundo, quanto menos para as futuras gerações.

A cobiça se intromete em religiões, ideologias políticas, não é deste ou daquele partido, não é maior nos homens ou nas mulheres, é um vício que circula na alma humana aprisionando-a através da sedutora idéia de ser ela a única capaz de libertar o individuo que a arvora.

Porém, a cobiça isola e vai, ao longo do tempo, destruindo todas as conexões da alma com o Universo, ou seja, no fim a alma que cobiça destrói a si mesma, restando apenas uma mente autômata, um corpo sem alma.

Quem já foi tomado pela cobiça lerá estas afirmações e soltará uma gargalhada irônica, sentindo-se superior. A gargalhada, porém, comprovará que a superioridade já está ameaçada e que a queda iniciou seu infalível processo, pois a cobiça sequestrou a Vida e ela nunca falha, sempre se liberta.