Uma heroína de todos os tempos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uma heroína de todos os tempos

Sheila Leirner

02 Fevereiro 2018 | 18h38

Hoje a minha heroína completa 113 anos. Não fez lifting, não pôs botox e não ganhou nenhuma ruga!

No dia 2 de fevereiro de 1905, a pequena criada bretã apareceu pela primeira vez na revista de meninas bem-comportadas, “La Semaine de Suzette”. Personagem que nasceu, às pressas, das mãos do ilustrador Émile-Joseph Porphyre Pinchon apenas para encher uma página em branco e se tornou uma das mais famosas da França!

 

Pioneira da mulher ativa e moderna

 

Nariz em forma de ervilha, tamancos nos pés e guarda-chuva embaixo do braço, lá foi a ingênua e provinciana Becassine, tal qual “Candide” de Voltaire, viver a sua aventura no grande mundo. Hoje existem vários estudos sobre ela. O fato é que Becassine é a pioneira da mulher ativa e moderna, aquela que multiplica profissões, pratica esportes, faz fotografia, pilota automóveis, trens, aviões e milita nos programas humanitários. Inscreveu-se até mesmo na Cruz-Vermelha!

Para as suas comemorações, costureiros a vestem e desvestem, os Correios editam selos, álbuns são lançados. Enfim, tamanha celebridade poderia lhe subir à cabeça. Mas quem a conhece, sabe que não é do tipo que vai andar de nariz empinado.

Até a próxima, que agora é hoje e a minha heroína é uma “feminista natural” sem perturbações de ordem psicológica e emocional, um modelo a seguir… Feliz aniversário Becassine!


LEIA TAMBÉM AS ANÁLISES:

 

Hergé, criador de Tintim, ganha retrospectiva na França

“A tentativa de decifrar a arte de Hergé (1907-1983), desenhista que esgotou todas as suas possibilidades de criação, inspirando-se inclusive em outros cartunistas, países, regimes, civilizações antigas e primitivas.”; análise de Sheila Leirner

Feminismo e machismo: lados da mesma moeda

“Vai demorar bastante ainda para que certas brasileirinhas, francesinhas e americaninhas que se julgam melhores do que as outras e querem impor sua vontade compreendam que o que elas acham e sentem não é necessariamente o que outras mulheres acham e sentem.”; análise de Sheila Leirner

Com nova exposição em Paris, René Magritte se consolida como filósofo da arte moderna

“Racionais e rigorosos – jamais fortuitos, aleatórios ou arbitrários – seus trabalhos são como fórmulas matemáticas com as suas soluções já embutidas nas imagens.”; análise de Sheila Leirner