"O paparazzo nosso de cada dia"
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

"O paparazzo nosso de cada dia"

Ricardo Lombardi

22 Agosto 2008 | 06h39

Sugestão de leitura: a matéria “O paparazzo nosso de cada dia“, de Cristina Tardáguila, que saiu na Piauí. Conta um pouco como é a vida desses profissionais que trabalham para as revistas de celebridades, correndo atrás do clique mais exclusivo. Abaixo, um trecho:

“Antes de Caras, os franco-atiradores do fotojornalismo limitavam-se a trabalhar em festas, sob contrato. Data daqueles tempos a tradução de paparazzo que veio parar nos dicionários da língua portuguesa. O Houaiss, por exemplo, define a palavra como ‘fotógrafo que persegue agressivamente as celebridades, com o fito de bater fotos indiscretas’. Mas os costumes mudaram desde que as vítimas desse infernal assédio passaram a posar na banheira sempre que mudam de casa e Adriane Galisteu casou-se com as câmeras.

Atrás de Caras vieram a Quem, a Contigo!, a Chique & Famosos, a Flash, a IstoÉ Gente e até a Folha de S. Paulo, que lançou a revista-suplemento Serafina – para a qual o juiz Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal, posou com a esposa na cama do casal. Vieram também sites como o Ego, da Globo, com média de 1 milhão de acessos diários, o Babado, do portal IG, e OFuxico, do Terra. Todas essas publicações seguem uma mesma regra para identificar os famosos: a pessoa é celebridade porque é fotografada, e é fotografada porque é celebridade.

Os paparazzi nunca mais foram os mesmos. Com tanto lugar para se exibir, toda celebridade passou a ter direito a seus minutos de pessoa comum, flagrada no ato de fazer o que todo mundo faz.

Só no Rio de Janeiro, há espaço para três agências de paparazzi – a AgNews, a Byte Beach e a Photo Rio News. Elas cobram entre 1 500 e 7 mil reais por mês para abastecer as publicações especializadas. Empregam cerca de vinte fotógrafos. Com idades que variam entre os 20 e os 60 anos, eles dividem em turnos os 365 dias do ano: nunca se sabe a que horas a celebridade em pessoa baixará num hortifruti de Ipanema ou do Leblon. Baixando, ela encontrará a postos um fotógrafo para eternizar aquele instante de banalidade.”

Para ilustrar o post, foto em que a atriz Sonja Romanoff perde a paciência.