Furto foi ‘sem importância’ dada a quantidade de pessoas que visita a Bienal, diz artista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Furto foi ‘sem importância’ dada a quantidade de pessoas que visita a Bienal, diz artista

Daiane Oliveira

10 Outubro 2012 | 15h59

Paula Carvalho, do estadão.com.br

O artista espanhol Daniel Steegmann Mangrané, que teve uma aquarela furtada da Bienal de São Paulo, disse ao Estado nesta quarta-feira, 10, que considera o furto “sem importância”. “Tenho certeza que a Bienal tomou e está tomando todas as medidas de segurança pertinentes, pelo que estou completamente tranquilo. Simplesmente é impossível controlar todo mundo em todo momento.”

Mangrané usou o exemplo da obra Black on Maroon, do norte americano Mark Rothko, que foi encontrada rabiscada na galeria Tate Modern, em Londres no último domingo, 7. “Este tipo de acontecimento cerceia a intimidade do público com o trabalho. Talvez esse moleque tenha privado todo o resto das pessoas, pra sempre, de estar sozinhos na sala com os quadros. Essa sim é uma triste perda”, comentou.

De acordo com a nota oficial divulgada nesta terça-feira, 9, pela Fundação Bienal, o furto da obra de Daniel Steegmann Mangrané foi percebido no dia 27 de setembro, e foi registrado um boletim de ocorrência. A organização agora providencia a instalação de vidros de proteção sobre os trabalhos do espanhol.