Luiza Lian e a espiritualidade do caminho no novo clipe de ‘É Nela Que Se Mora?’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Luiza Lian e a espiritualidade do caminho no novo clipe de ‘É Nela Que Se Mora?’

Pedro Antunes

02 Agosto 2017 | 10h32

O álbum-visual de Luiza Lian, o segundo trabalho dela solo, não veio de forma proposital.

Passou a existir, pelos caminhos cruzados dela com o produtor Charles Tixier.

Luiza Lian (Foto: Filmes da Diaba)

E, por isso, faz sentido que ela esteja lançando É Nela Que Se Mora?, o novo clipe de Oyá Tempo – com exclusividade no Outra Coisa.

Caminhos.

No vídeo, realizado pela produtora Filmes da Diaba, Luiza é a personagem a seguir esse caminho.

Filmada na traseira de um caminhão, a atravessar a mata do litoral norte, em Ubatuba, artista jorra perguntas.

Questiona o espaço, o passar do tempo e do chão debaixo dos pés.

“Será que essa é a estrada que vai me libertar?”, ela canta.

Reunindo poesias escritas em cadernos com os ritmos e bases e experimentações de Charles, nasceu o trabalho.

Oyá Tempo é mais que um disco, por isso o nome de “álbum-visual”. “Não nasceu como um disco, mas, bom, virou um disco, né?˜”, diz Luiza. “Ele foi visual desde o seu nascimento”.

Oyá Tempo também é site, filme e a performance poderosa de Luiza ao vivo. Oyá Tempo, mais do que álbum visual, é um além-disco. 

Dona de um dos trabalhos mais interessantes de 2017, Luiza canta – e por vezes fala -, como se flutuasse sobre questões que passam pela espiritualidade dela.

“Debato, nessa música, algo que está presente na minha ideia de espiritualidade, que é a ideia do caminho e do caminhante”, explica. “Eu sempre tive a vontade de entender qual é o papel do peregrino e entendo isso como uma metáfora da espiritualidade.”

Luiza Lian (Foto: Filmes da Diaba)

A música traz uma referência a um hino do umbandaime, no qual discute-se o caminho espiritual. “Também questionamos o que estamos fazendo. Estamos fazendo porque queremos ou estamos só gastando o caminho, indo por inércia?”, reflete.

A voz de Luiza segue no ritmo, sem quebras. Bate, dança, bate. No looping, a voz dela canta e roga, questiona e pede por respostas.

Por fim, o outro lado, ou a resposta, vem com o rapper Moita:

“Não existe um final.

E quando chega, recomeça.

Quebra-cabeça de infinitas peças.

E por mais que peças alegrias, lagrimas também fazem correr o rio da vida.

Do amor não se duvida.

Por isso, mesmo chorando, sorria”

Luiza Lian apresenta o Oyá Tempo na noite do dia 12 de agosto, no Auditório Ibirapuera. Ao seu lado estará Tixier, numa performance criada por ela Sonia Costa e Bianca Turner, ambas artistas visuais. A performance terá ainda a participação da cantora Nina Oliveira, do rapper Moita e da atriz e MC Roberta Estrela D’Alva.

Auditório Ibirapuera
Av. Pedro Alvares Cabral, s/n – Portão 2 do Parque do Ibirapuera
Dia 12 de agosto, às 21h.
R$ 20.

Assista ao clipe de Luiza Lian para ‘É Nela Que Se Mora?’