Com a potência de Baco Exu do Blues, festival em Brasília celebra a música da periferia
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Com a potência de Baco Exu do Blues, festival em Brasília celebra a música da periferia

Pedro Antunes

25 Outubro 2017 | 08h51

“Te amo, desgraça / Te amo, desgraça”.
Diogo Moncorvo, o Baco Exu do Blues, canta, versa e vocifera.
Ama e odeia. Goza e chora. Bebe vinho, quebra as taças.
Te Amo Disgraça – escrita dessa forma, mesmo – é fúria em estado puro.
Explosiva, ardida, quente.
E candidata a música do ano.

Baco Exu do Blues (Foto: Divulgação)

Ouça Te Amo Disgraça

Figura proeminente do rap soteropolitano, ele ataca pelas beiradas, agudo e incisivo.

E lança Esú, um dos grandes discos brasileiros de 2017.

Com outra música, Sulicídio, lançada no ano passado, ele é crítico à cena de hip-hop nacional. Cita o favorecimento aos rappers do sudeste, brada contra a falta de atenção para quem vem do norte e nordeste do País.

É um grito da periferia em uma cultura do hip-hop sudestecêntrica. Com razão, afia suas armas. Com força, luta sua guerra.

Periferia está pronta para o revide. Chega com a força e Baco Exu do Blues e outros tantos artistas, no festival Favela Sounds, realizado em Brasília, no Museu da República e regiões administrativas, de 30 de outubro a 4 de novembro.

Na segunda edição, cuja entrada é gratuita, Exu do Blues é uma das vozes. Gritam as periferias todas, como Linn da Quebrada, de São Paulo, como Tati Quebra Barraco, do Rio de Janeiro. Da Bahia, ao lado do rapper, estão Larissa Luz  e Telefunksoul.

Com uma programação voltada a observar o que os outros preferem desviar o olhar, o Favela Sounds dá voz aos excluídos, deixados de lado.

Linn da Quebrada (Foto: Divulgação)

Entre as atrações brasileiras, também estão Xande de Pilares, ABRONCA, Thabata Lorena, DJ Kacá, DJ Donna, Rosa Luz, DJ Pati Egito, Magu Diga How, África Tática, Darlly Matos e Iasmin Turbininha.

No âmbito das periferias nacionais, o festival escala Titica (de Angola), Dama do Bling (do Moçambique), Wesli Band (banda de origem haitiana sediada no Canadá.

+++ Titica lançou, aqui no blog Outra Coisa, uma música com a banda BaianaSystem, a ótima Capim Guiné.

Serão quatro oficinas, quatro debates e dois dias de música. As oficinas, realizadas nas regiões administrativas, têm início no dia 30 de outubro. As apresentações estão concentradas nos dias 3 e 4 de novembro.

Para mais informações, acesse o site oficial do festival.

Poster Festival Favela Sounds 2017