‘Zama’ é a cereja de Mostra Argentina na Caixa Cultural

‘Zama’ é a cereja de Mostra Argentina na Caixa Cultural

Rodrigo Fonseca

31 Outubro 2017 | 10h40

Daniel Giménez Cacho é Zama, inspetor da Coroa Espanhola que dá título ao filme mais sofisticado da obra de Lucrecia Martel: esta terça na Mostra de SP e dia 18 na Caixa Cultural

Rodrigo Fonseca
Anota aí na agenda que tem evento imperdível na Caixa Cultural do Rio de Janeiro chegando: de 07 a 19 de novembro, o charmoso centro cultural vizinho à Av. Rio Branco acolhe a segunda edição da mostra Histórias Extraordinárias: Cinema Argentino Contemporâneo com direito ao majestoso Zama, de Lucrecia Martel. Lançado durante o Festival de Veneza, este ensaio sobre submissões lotou sessões no Festival do Rio e na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, onde tem uma última projeção nesta terça, às 13h30, no Espaço Itaú Frei Caneca. É o trabalho de maior potência visual da cineasta (graças à fotografia do português Rui Poças) e é seu exercício de regresso ao formato longa-metragem após um hiato de quase dez anos da telona. Sua projeção na retrospectiva da Argentina está agendada para o dia 18, às 18h30. Na trama desta adaptação do romance homônimo de Antonio di Benedetto, o mexicano Daniel Giménez Cacho assume o papel do título: um inspetor da Coroa de Espanha que fiscaliza irregularidades na América hispânica colonial do século XIX. A presença de um temido bandido nas redondezas vai levar o burocrático Zama à ação. Matheus Nachtergaele e Mariana Nunes integram o elenco do filme, coproduzido pela mineira Vânia Catani (mesma de O Palhaço e do recente O Filme da Minha Vida).
Com curadoria de Natalia Christofoletti Barrenha, pesquisadora de cinema argentino, e Agustín Masaedo, programador do Buenos Aires Festival Internacional de Cine Independiente (BAFICI), a programação do ciclo Histórias Extraordinárias apresenta tanto obras premiadas em festivais argentinos e internacionais quanto produções com sólidas passagens pelo circuito comercial de seu país. Um dos destaques da mostra será o vigésimo aniversário da estreia do cult Pizza, Cerveja, Baseado (de 1997, mais conhecido pelo título original Pizza, Birra, Faso), rodado por Israel Adrián Caetano e Bruno Stagnaro, considerado o ponto de partida do chamado nuevo cine argentino.