Yes, temos Brasil em Cannes: ‘O Grande Circo Místico’

Yes, temos Brasil em Cannes: ‘O Grande Circo Místico’

Rodrigo Fonseca

12 Abril 2018 | 07h46

“O Grande Circo Místico”: encanto puro

Rodrigo Fonseca
Um dos filmes brasileiros mais esperados (e mais encantadores) desta década, O Grande Circo Místico, de Carlos Diegues, fará sua estreia mundial no 71º Festival de Cannes (8 a 19 de maio), que anunciou nesta manhã seu programa de 2018, destacando o desejo de aproveitar a projeção fora de concurso do longa-metragem brasileiro como deixa para um tributo a seu realizador. Esta coprodução Brasil-França-Portugal traz Vincent Cassel no elenco como o mágico de uma trupe que encara cerca de cem anos de transformação, no Tempo, no Espaço e na relação entre a Moral e a Arte, tendo Mariana Ximenes em um desempenho magistral. Roteirizado por George Moura (autor da telenovela O Rebu e da esperada superssérie Onde Nascem os Fortes), o projeto tem como gênese um poema de Jorge de Lima e traz uma fotografia deslumbrante de Gustavo Hadba. E Cacá (que esteve em Cannes em 1964 com Ganga Zumba e já disputou por lá três vezes, com Bye Bye Brasil, Quilombo e Um Trem Para as Estrelas) chega ao evento francês rodeado de grandes atrações em competição pela Palma de Ouro, que será avaliada por um júri presidido por Cate Blanchett. Foram inscritas 1906 produções e 18 foram selecionadas. Mais filmes serão acrescentados à lista de hoje nos próximos dias. Vale lembrar que o ganhador da Palma de 2017, o sueco The Square: A Arte da Discórdia, de Reuben Östlund, foi o último longa a ser anexado à competição do ano passado.

A lista de concorrentes:

Todos Lo Saben, de Asghar Farhadi (filme de abertura)

Ash Is Purest White, de Jia Zhang-Ke

BlacKkKlansman, de Spike Lee

Cold War, de Pawel Pawlikowski

Le Livre d’Image, de Jean-Luc Godard

Plaire, aimer et courir vite, de Chistophe Honoré

Under The Silver Lake, de David Roger Mitchell

Three Faces, de Jafar Panahi

Cafarnaum, de Nadine Labaki

En Guerre, de Stéphane Brizé

Dogman, de Matteo Garrone

Asako I & II (Netemo Sametemo),
 de Ryusuke Hamaguchi

Plaire aimer et courir vite,
 de Christophe Honoré

Les filles du soleil de Eva Husson

Shoplifters
 de Kore-Eda Hirokazu

Capharnaüm, de Nadine Labaki

Burning (Buh-Ning),
 de Lee Chang-dong

Under the Silver Lake,
 de David Robert Mitchell

Three Faces, de Jafar Panahi

Lazzaro Felice, de Alice Rohrwacher

Yomeddine,
 de A.B. Shawky

L’été (Leto), de Kirill Serebrennikov

A seleção paralela Um Certain Regard, que este ano conta Benicio Del Toro na cabeça do júri, traz a seguinte seleção:
Border (Gräns) de Ali Abbasi
Sofia de Meyem Benm’Barek
Les chatouilles d’Andréa Bescond et Eric Metayer
Long Day’s Journey into Night de Bi Gan
Manto de Nandita Das
A genoux les gars (Sextape) d’Antoine Desrosières
Girl de Lukas Dhont
Gueule d’ange de Vanessa Filho
Euphoria de Valeria Golino
Rafiki (Friend) de Wanuri Kahiu
Mon tissu préféré de Gaya Jiji
The Harvesters (Die Stropers) d’Etienne Kallos
In My Room de Urlirch Köhler
El Angel de Luis Ortega
The Gentle Indifference of the World de Adilkhan Yerzhanov

Vai ter Wim Wenders fora de concurso com Le Pape François – Un homme de Parole, seu olhar sobre o atual pontífice.