‘Macbeth’ desafia os diabos do Fantasporto

‘Macbeth’ desafia os diabos do Fantasporto

Rodrigo Fonseca

02 Março 2018 | 00h04

Rodrigo Fonseca
Nem todos os demônios do Inferno que posam como galãs nos filmes de terror do Fantasporto foram capazes de proteger o festival português, nesta quinta-feira, da concorrência de um adversário teatral que anda mobilizando atenções lusitanas: uma montagem de Macbeth, dirigida por Nuno Carinhas. Em cartaz até 11 de março no Teatro Nacional São João (TNSJ), no Porto, a peça traz um inspirado João Reis na pele do guerreiro shakespeariano que, sob o estímulo de sua mulher (a hipnótica Emília Silvestre) arma um plano para eliminar o rei e tomar a coroa escocesa para si. É um delírio visual a solução de Carinhas para a representação da charneca das bruxas que fazem a previsão do futuro sangrento de Macbeth. O design sonoro delineado por Francisco Leal é uma aula de controle e mixagem de ruídos. Poucas encenações recentes deste texto cheio de “som e de fúria” foram mais sinestésicas do que esta versão à moda lusa.

De todos os longas exibidos no Fantasporto nesta quinta, antes do furacão Macbeth, um deslumbrante uso de preto e branco com CEP da Hungria embaralhou a percepção dos espectadores do festival: The Butcher, The Whore And The One-Eyed Man. Dirigido por János Szasz, este drama de amor sobre um triângulo de quereres e ambições, que mais parece uma animação viva, tem o visual mais refinado de todos os títulos exibidos esta semana no evento. Mas há que se respeitar bem seu concorrente de DNA português, Aparição, também apresentado aqui neste dia 1 de março. Fernando Vendrell assina a direção de um palavroso exercício de reflexão filosófica sobre a finitude e o papel da língua como afirmação da memória.

Viabilizado com apoio do Instituto do Cinema e do Audiovisual de Portugal (a Ancine deles), o Fantasporto, que segue até domingo, promove neste sábado um tributo a um dos maiores astros brasileiros: Tony Ramos. Ele vem ao festival para divulgar a carreira internacional da série Vade Retro, da TV Globo, já projetada na Berlinale. Um dos mais respeitados diretores do plim plim, Mauro Mendonça Filho, está aqui para representar o seriado em que Tony vive Abel Zebu. Sexta também tem perfume de Hollywood no Porto, com uma projeção de Réplica Violenta (Acts of Violence), com Bruce Willis.

A atração de encerramento do Fantasporto será o thriller belga La Fidéle, de Michaël R. Roskam.