Berlinale descobre a divertida maldade de Tony Ramos em ‘Vade Retro’

Berlinale descobre a divertida maldade de Tony Ramos em ‘Vade Retro’

Rodrigo Fonseca

13 Fevereiro 2018 | 10h11

“Vade Retro” é uma das atrações da seção Drama Series Day do festival alemão

Rodrigo Fonseca
Wes Anderson e seu Ilha de Cachorros, animação em stop motion, vão abrir a 68ª edição do Festival de Berlim nesta quinta-feira, abrindo alas para um bonde brasileiro de filmes de ficção e documentários, mas também para uma série que trouxe o terrir para os aposentos da teledramaturgia nacional:  Vade Retro. No mefistofélico papel de Abel Zebu, Tony Ramos se reinventa uma vez como ator a partir de um texto da dupla Fernanda Young e Alexandre Machado (duo de Os Normais), pilotado pelo diretor Mauro Mendonça Filho. A projeção do seriado, na capital alemã, integra o menu da seção Drama Series Day da Berlinale, e está agendado para o dia 20, às 15h (no fuso germânico), no Zoo Palast. Na trama, aberta por uma palestra de Abel a cada novo episódio, a advogada Celeste, personagem de Mônica Iozzi, foi beijada pelo Papa João Paulo II quando criança e, por isso, ficou associada aos ritos cristãos. Já adulta, ela é contratada por Abel para cuidar de sua separação. A mulher encrenqueira dele se chama Lucy Ferguson (vivida Maria Luísa Mendonça) e sabe todos os podres do marido. Quem perdeu V.R. no ar pode ver tudinho do Globo Play.

“O humor é a força que resgata o Homem de seu ridículo, de sua predisposição em se colocar em um pedestal. E o humor de Alexandre e Fernanda é de uma inteligência fina”, disse Tony ao P de Pop durante o lançamento da série. “Existe um demônio em cada um de nós. Abel é um deles: um reflexo de nossa ganância, de nossa soberba”.

Logo após a Berlinale, o ator e Mauro Mendonça Filho vão para Portugal, exibir Vade Retro em um dos mais prestigiados eventos de gênero do mundo, o Fantasporto (20 de fevereiro a 4 de março), que, para muitos críticos, é o maior festival de cinema de horror e fantasia do mundo. Lá, a Globo entra ainda com Carcereiros. E o Brasil vai estar em concurso com A Comédia Divina.