Melhores da música brasileira no segundo semestre de 2016 para APCA inclui Sabotage, O Terno, The Baggios, entre outros; confira
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Melhores da música brasileira no segundo semestre de 2016 para APCA inclui Sabotage, O Terno, The Baggios, entre outros; confira

Pedro Antunes

28 Novembro 2016 | 10h19

Ouça os 20 discos finalistas selecionados pela Associação Paulista de Críticos de Arte; vencedores serão divulgados nesta quarta-feira, 30

Sabotage (Foto: Marcio Simnch/Divulgação)

Sabotage (Foto: Marcio Simnch/Divulgação)

Um baita ano para a música brasileira, sem dúvida.

A Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) fechou na semana passada a lista de melhores artistas brasileiros no segundo semestre de 2016. Os dez novos nomes revelados com exclusividade pelo Estado nesta segunda-feira, 28, se juntam à outra dezena, divulgada em abril, e formam o corpo daquilo que foi o fino da produção fonográfica em um ano no qual muitos dos artistas aqui citados abriram novos caminhos por meio de descobertas sonoras, experimentações e suor nos palcos e nos estúdios.


Há de se dizer, se houve algo em comum entre os 10 discos listados como os melhores do segundo semestre, foi a quentura.

O Terno, enfim, se tornou a melhor banda pop/rock/etc nacional que sempre pareceu ser com “Melhor do Que Parece”. O duo The Baggios foi a brutalidade em estado puro com “Brutown”. E Rael experimentou ainda mais ritmos em “Coisas do Meu Imaginário”.

Iara Rennó foi afiada e incisiva com seus ousados discos “Arco” e “Flecha”. Vitor Araújo, com “Levaguiã Terê”, lutou contra seus próprios fantasmas e soltou uma peça épica e ainda com muito a ser descoberta.

O Terno (Foto: Werther Santana/Estadão)

O Terno (Foto: Werther Santana/Estadão)

Ainda houve espaço para discos lindos, como “Golpe de Vista”, de Douglas Germano, “Curado”, produzido pelo encontro delicioso entre Hurtmold e Paulo Santos, o embasbacante “A Saga da Travessia”, de Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz, e o retorno do “Macaco Bong” com disco homônimo.

O ano de 2016 ainda marca o retorno de Sabotage. Em um trabalho de produção primorosa, rascunhos e gravações deixadas pelo rapper morto em janeiro de 2003 mostrou como ele soaria neste novo momento do rap nacional – e fez a saudade apertar.

O corpo de jurados da APCA deste ano é formado por Alexandre Matias, José Norberto Flesch e Marcelo Costa. Os vencedores serão conhecidos na noite desta quarta-feira, 30.

Ouça discos inteiros da lista de melhores do segundo semestre de 2016 (“Levaguiã Terê”, de Vitor Araújo, é o único que não está completo no YouTube):

Douglas Germano – “Golpe de Vista”

Iara Rennó – “Arco” e “Flecha”

Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz – “A Saga da Travessia”

Macaco Bong – “Macaco Bong”

Hurtmold e Paulo Santos – “Curado” 

O Terno – “Melhor Que Parece”

Rael – “Coisas do Meu Imaginário”

Sabotage – “Sabotage”

The Baggios – “Brutown”

Vitor Araújo – “Levaguiã Terê”

Ouça os discos inteiros da lista de melhores do primeiro semestre de 2016:

BaianaSystem – “Duas Cidades”

Céu – “Tropix”

DeFalla – “Monstro”

Ed Motta – “Perpetual Gateways”

João Donato – “Donato Elétrico”

Mahmundi – “Mahmundi”

Metá Metá – “MM3”

Serena Assumpção – “Ascensão”

Tatá Aeroplano – “Step Psicodélico”

Wado – “Ivete”

A eleição da APCA nas categorias de música popular brasileira ainda inclui a eleição do artista do ano, melhor show e artista revelação. Confira as listas abaixo.

Artista do ano:

BaianaSystem
Céu
Karol Conka
Liniker
Metá Meta

Melhor show:

BaianaSystem
Céu
Metá Metá
Novos Baianos
Tulipa Ruiz + Marcelo Jeneci

Artista revelação:

E a Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante por “Medo de Morrer, Medo de Tentar”
Joe Silhueta por “Dylanescas”
Mahmundi por “Mahmundi”
MC Carol por “Bandida”
Paula Cavalciuk por “Morte e Vida”