Exclusivo: The Baggios lança documentário sobre a gravação do disco Brutown, indicado ao Grammy Latino; assista
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Exclusivo: The Baggios lança documentário sobre a gravação do disco Brutown, indicado ao Grammy Latino; assista

Pedro Antunes

14 Novembro 2017 | 11h26

“Se contentam com a fúria que restou /
O céu anda cinza aqui /
Entre injúrias e juras sem amor /
Nem tão honestas assim”

Eles (nós?) se contentam.
E os Baggios?
Bom, eles não.

The Baggios, formado por Julio Andrade e Gabriel Carvalho (Foto: Snapic)

De Sergipe vem o duo mais poderoso do País. São dois, soam como vários. Uma multidão em rebelião contida na potência sonora de Julico, o apelido de Julio Andrade, e Gabriel Carvalho. Guitarra e bateria.
E puro estonteamento.


Não foi o acaso o responsável por colocar Brutown, o terceiro álbum do duo de São Cristóvão, na lista de melhores discos lançados no ano passado – inclusive deste escriba, blogueiro (???) e ouvinte aqui.

Na aridez do ano de 2016, o The Baggios era a voz oprimida pelo azedume político, econômico e social.

“Era impossível me calar”, diz Andrade em dado momento do documentário lançado com exclusividade aqui no Outra Coisa, com os bastidores da gravação de Brutown, registrado ao longo de uma semana, em junho deste ano, no Rio de Janeiro, no clássico estúdio Toca do Bandido.

Julio Andrade, do The Baggios (Foto: Snapic)

“Foi a semana que mais passou rápido nos últimos dez anos”, diz o guitarrista e vocalista do Baggios, em outro momento do mini-doc.

Com 24 minutos, o vídeo apresenta uma visão aprofundada da expansão sonora promovida pelo Baggios nesta terceira digressão ao estúdio.

Expansão é, de fato, o termo certo para entender o que se passou com a banda nesse processo. Temos, agora, um “terceiro baggio”, Rafael Ramos, que acrescentou teclados e baixo nas canções de Brutown e pode ser visto nos shows por aí.

O processo de crescimento do disco passa também por quem participa dele, como Emmily Barreto (Far From Alaska), que emprestou a voz na faixa Estigma, cuja primeira estrofe abre esse texto, Jorge Du Peixe (Nação Zumbi), que canta Saruê, Fernando Catatau (Cidadão Instigado), em um duelo guitarrístico na balada Soledad, Gabriel Thomaz e Erika Martins (Autoramas), os donos dos backing vocals de Desapracatado e Felipe Ventura (Baleia), responsável por pelo violino e arranjo de cordas em Soledad e Miquim.

Ao longo do doc, a banda é incapaz de esconder a euforia vivida naqueles dias de estúdio. A criatividade exibida ali trasborda a tela, em um trabalho eficaz de Victor Balde e do próprio Andrade, responsáveis pela direção do vídeo.

Gabriel Carvalho, do The Baggios (Foto: Snapic)

Em 2017, o que era áspero do ano passado se tornou espinhoso. E Brutown, como bruxaria, acompanha os novos (e nossos) tempos, como bem mostra a letra de Estigma, faixa que abre o álbum, recitada pelo vocalista em outro momento do documentário.

Tocaram no Lollapalooza 2017 e, mesmo em um horário daqueles que só a organização de festival gringo tem coragem de propor a artistas independentes nacionais, ainda antes das 13h, o duo (e por vezes trio) mostrou porque é uma das melhores respostas a quem diz que “não há novas e boas bandas de rock no Brasil”.

Enquanto esse texto é escrito, a banda viaja até Las Vegas, nos Estados Unidos, onde participará da cerimônia de entrega do Grammy Latino, na categoria de melhor álbum de rock ou música alternativa.

Eles concorrem contra Aventuras II (da Blitz), Boca (Curumin), MM3 (Metá Metá) e Jardim-Pomar (Nando Reis).

Os vencedores serão divulgados nesta quinta-feira, 16.

Depois do Grammy Latino, os Baggios vem a São Paulo para uma apresentação no Sesc Belenzinho, no sábado, 18 (informações e ingressos aqui).

Assista ao documentário sobre os bastidores da gravação de Brutown: 

Ouça também Brutown: