A psicodelia retrô do Praia Futuro promete pincelar uma Fortaleza dos anos 1970 no festival Maloca Dragão
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A psicodelia retrô do Praia Futuro promete pincelar uma Fortaleza dos anos 1970 no festival Maloca Dragão

Pedro Antunes

27 Abril 2017 | 15h48

Festival de arte gratuito de Fortaleza chega à sua quarta edição com 130 atrações 

Praia Futuro (Nublu Records)

Ilhan Ersahin, sueco de origem turca criador do selo novaiorquino Nublu Records, e Alexandre Dengue, baixista do Nação Zumbi, ligaram para o produtor Yuri Kalil, logo depois de uma apresentação da banda de Recife no Central Park, em Nova York.

Ele atendeu a chamada internacional e, embora o valor dela provavelmente tenha sido uma fortuna, não levou-a a sério. “Papo de bêbado”, brinca Kalil sobre a ligação recebida em 2015.

Ilhan e Dengue tinham uma proposta: montar uma banda para uma apresentação no ano seguinte. E não era brincadeira.“Enfim, chegamos a um consenso, gravaríamos no meu estúdio, em Fortaleza”, conta o produtor.

A princípio, Pupillo, baterista da Nação, integraria a turma, mas a agenda atarefada do músico e também produtor não permitiu que ele seguisse com eles. Fernando Catatau, guitarrista, vocalista e líder do Cidadão Instigado foi convocado.

“Ficamos dois dias no estúdio, gravando”, conta Kalil, sobre o disco que leva o nome do grupo Praia Futuro, já disponível nas plataformas digitais.

A escolha pelo título deriva diretamente da Praia do Futuro, em Fortaleza, onde Kalil cresceu. O “do” caiu fora do nome para auxiliar o entendimento de quem não fala português naturalmente.
“Escolhemos esse nome por representar a praia, diversão e, ao mesmo tempo, ter um espírito de improviso, meio hippie”,

Praia Futuro, o álbum, é libertário. Sem vocais, as canções têm flutuações jazzísticas e alterações rítmicas, partem do ponto A sem a necessidade de chegar ao ponto B – por vezes, eles voltam para o início, encerrando um ciclo.

O trio formado pelo delicioso baixo de Dengue, a guitarra hipnotizante de Catatau e a bateria de Kalil conduz o ouvinte por paisagens dispersas de uma Fortaleza perdida no passado. Os teclados de Ilhan, sintetizados, conferem ao som ares retrô, estabelecendo um ponto temporal entre 1970 e 1980.

Ouça Praia Futuro:

Praia Futuro é uma das atrações da quarta edição do festival Maloca Dragão, realizado em Fortaleza – será a segunda vez que o quarteto se apresenta na cidade.

O festival gratuito teve início na terça-feira, 25, e tem uma programação extensa, com 130 atrações, até domingo, 30.

O Cidadão Instigado, banda de Catatau, dá início em Fortaleza à comemoração dos 20 anos de banda – em uma turnê que chegará em São Paulo em breve –, a festa do BaianaSystem, o empoderamento de Karol Conká, as vozes poderosas de As Bahias e a Cozinha Mineira, entre outros, integram a escalação musical.

O Maloca Dragão, realizado no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e em vários espaços da Praia de Iracema, inclui na sua programação espetáculos de teatro, dança, circo, eventos dedicados a literatura, arte urbana, moda e gastronomia. Para conhecer a escalação completa, acesse o site do festival.

0 Comentários