Marcelo Rubens Paiva

28 Fevereiro 2016 | 13h37

Não tem negros no Oscar?

Ninguém melhor que Spielberg e o presidente Obama para, juntos, dar uma ironizada e envergonhar toda a classe.

Num falso promo [vídeo promocional], de um falso filme por vir, Spielberg diz que, depois do sucesso de Lincoln, fará um filme sobre Obama, e que o melhor ator para isso é Daniel Day-Lewis, “alguém que pode mergulhar no papel e ser Obama”, que já foi índio, açougueiro, Lincoln.

Basta maquiá-lo apropriadamente.

O próprio Obama, o mais carismático de todos, aparece dizendo, como se fosse Daniel, que o problema será ter o mesmo formato de orelha que o presidente americano.

Para continuar o casting, diz Spielberg, ele escolherá o comediante negro Tracy Morgan para fazer o vice-presidente, Joe Biden.

A ironia não termina. Ao final, Daniel-Obama diz que tem que descobrir o que motiva o personagem: por que da sua obsessão pela reforma na saúde, por que fica tão bravo eventualmente?

Hoje, será a noite de Hollywood repensar sua trajetória e replanejar o futuro.

Hoje, se fará história.