1. Usuário
Assine o Estadão
assine


As informações e opiniões expressas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para ver O Regresso

Marcelo Rubens Paiva

29 janeiro 2016 | 12:39

  1. Coma carpacho, kibe cru, stake tartare antes do filme. Depois, você ficará um bom tempo longe de carne crua.
  2. No começo, você ficara confuso: foi dirigido pelo Iñarritu ou pelo Terrence Malick [Árvore da Vida, Amor Pleno]? Imagens de vento, árvore, rios, nuvens, montanhas, pensamentos lentos, metafísicos, frases em off, caminhadas…

Sim, Malick foi um grande inspiração de O Regresso. Não sei se Iñarritu admitiu publicamente, mas parece óbvio.

  1. A luta entre DiCaprio e o Urso é das cenas mais sensacionais que você verá na vida. Até a respiração no animal embaça a lente. Depois você tenta descobrir como foi feita.
  2. Aliás, melhor deixar para depois entender como muitas outras cenas foram feitas, como a queda do cavalo num barranco com DiCaprio, que você já viu no trailer. Curta o filme. Pesquise depois.
  3. O filme se chama O Regresso, mas deveria se chamar A PERSISTÊNCIA. Acontece de tudo com DiCaprio, que é perseguido por todos. E quando você acha que é um momento de ele descansar, até uma avalanche o ameaça.

Sem contar que tudo aconteceu de fato. É real. Em 1823: o explorador Hugh Glass caminhou 200 milhas (320 km) até o Fort Kiowa, em South Dakota, depois de ter sido atacado por guerreiros Arikaras, um urso e abandonado sem nada durante as expedições do General Ashley, que subiu o rio com cem homens contratados.

  1. Do cantil desenhado a uma índia isolada, tudo faz parte da trama. Atenção redobrada.
  2. O filme se passa em torno do Rio Missouri. Território disputado por canadenses franceses, americanos e índios. Onde fica hoje o conhecido parque do Zé Colmeia, Yellowstone.
  3. Por que deste filme? Vou palpitar:

Não é apenas um filme sobre vingança. Você verá nele muito do caos geopolítico que vivemos hoje, as migrações em massa, o racismo e preconceito contra nativos, a luta pelas commodities alheias, a intolerância, o capital corrompendo, guerras sem sentido, traição de acordos e pactos.

No caso, índios Siouxs, aliados dos franco-canadenses, armados por eles, perseguem os Pawanees, nação mais fraca, seus inimigos históricos, enquanto exploradores americanos e o Exército em degradação moral fica no fogo cruzado.

São todos depois obrigados a se mover para a reserva Crow Creek e “pacificados”.

  1. A trilha é do Ryuichi Sakamoto, lembra dele, em Furyo?
  2. Cenas e mais cenas foram feitas sem dublê. Comeu cabeça de peixe vivo, entrou na lama, no gelo, nadou. Até seu sangue respinga na lente. Ele respira como um predador. Está semelhante a Hugh Glass, seu personagem. É, the winner is… DiCaprio.

O filme é longo, mas é sensacional.

Baseado num trecho da vida de um personagem fascinante, um explorador mistura de besta e homem. Que vai ao limite dos sentidos.

Que já ganhara uma boa versão com Richard Harris num filme de 1971, MAN IN THE WILDERNESS.

 

hugh-glass-cropped-xlarge

As informações e opiniões expressas neste blog são de responsabilidade única do autor.