Movimento Brasil Livre sem liberdade

Movimento Brasil Livre sem liberdade

Marcelo Rubens Paiva

10 Setembro 2017 | 21h23

 

A informação de que, em Porto Alegre, o Santander Cultural encerrou, hoje, a exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, por conta de um movimento chamado Movimento Brasil Livre (MBL), é grave.

Muito grave.


Nela, 250 obras assinadas por 85 artistas, como Leonilson e Lygia Clark.

Pintura, gravura, fotografia, serigrafia, desenho, colagem, cerâmica, escultura e vídeo, cuja temática é o universo “queer” (termo pejorativo para gays), ou seja, o preconceito contra o universo LGBT.

O MBL, grupo identificado com os ideais da direita, acusou de a exposição promover blasfêmia e pedofilia.

2,3 milhões seguem sua página do Facebook , como o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão.

Fez campanha pesada nas redes sociais.

O curador da mostra, Gaudêncio Fidélis, disse ao Zero Hora:

“Eu não fui consultado em nenhum momento sobre isso e ninguém do Santander entrou em contato comigo ainda. Sou absolutamente contra o fechamento”.

Para o site Jornal Livre, “após pressão popular, Santander volta atrás e encerra bizarra mostra”.

Massa Marcelo (https://www.facebook.com/massa.marcelo.94) escreveu no comentário do site acima: “essa merda de viadismo já tá enchendo o saco, porque a maioria tem que aguentar essa minoria barulhenta de viados”.

Os extremos se encontram.

Uns garotos brasileiros conservadores e de direita imitam a Rússia e Cuba, que não exemplo de tolerância a homossexuais.