Uma lágrima para Álvaro de Moya
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uma lágrima para Álvaro de Moya

Estudioso das histórias em quadrinhos, foi um dos pioneiros da TV no Brasil, entendia muito de jornalismo, cinema e literatura. E, acima de tudo, era um grande sujeito

Luiz Zanin Oricchio

14 Agosto 2017 | 23h24

 

Acabo de saber que Álvaro de Moya nos deixou. 87 anos, bem vividos.

Conheci o Álvaro quando o entrevistamos, Rô eu, pelo lançamento de um dos seus livros sobre quadrinhos, lá pelo início dos anos 1990. Acho que na Escola de Propaganda e Marketing, em Higienópolis. 

Não era bem a minha área de interesse, mas jornalista, em certo ponto da carreira, faz de tudo, frequenta qualquer praia, é um clínico geral da notícia. E, por isso mesmo, recebe surpresas agradáveis (e outras, nem tanto).

A primeira surpresa foi que o livro do Moya era muito bom, sólido, divertido, gostoso de ler. Acho que era o Shazan, ou uma de suas reedições. Mas não tenho certeza. Talvez fosse outro, com certeza sobre HQs.

A outra boa surpresa foi que o autor era também uma pessoa divertida, consistente e ótimo conversador. O repertório dele era grande, diversificado. É agora lembrado como especialista em quadrinhos, mas foi homem de TV, na verdade um dos pioneiros da TV no Brasil. Adorava literatura, música e cinema. Um daqueles caras que têm assunto sobre qualquer coisa, do futebol à física quântica, ao contrário dos chatos monotemáticos que prevalecem hoje e nos matam de tédio com seus interesses únicos.

Depois desse primeiro contato, de vez em quando a gente se encontrava e conversava. Encontros não marcados, numa sala de cinema, numa livraria, num restaurante, num bar. Então a gente aproveitava para botar o papo em dia. Sem sermos íntimos, fomos desenvolvendo esse tipo de amizade à distância tão típica de São Paulo, a cidade que separa as pessoas. Até que não nos vimos mais. Eu lia sobre ele e tenho certeza de que ele me lia no jornal. 

Quem também gostava muito dele era meu querido amigo Jotabê Medeiros, este sim um conhecedor e apreciador de quadrinhos, ou de Grafic Novels, como eles gostam de dizer.

Acho que o Moya arrumou para o Jota uma entrevista com o Will Eisner, pelo que ficou merecedor de gratidão eterna. Eisner é o máximo, o que é perceptível até para um leigo como eu.

Moya era meio imprevisível. Uma vez, muitos anos atrás, eu estava lançando um livro em Santos, na Livraria Realejo, e quem aparece, tarde da noite? O Moya, com sua mulher, Claudia  (muito mais jovem, morreu antes dele). Desceram a serra apenas para pegar um autógrafo e bater um papo de fim de noite.

Álvaro Moya era um show de gente. Vá  em paz, amigo. Você viveu bem.

Mais conteúdo sobre:

Álvaro de MoyaHQTVCinema