Um mapa do Super-8 no Brasil
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um mapa do Super-8 no Brasil

Pesquisador Antonio Leão da Silva Neto lança hoje, a partir das 18 h, no MIS, dicionário sobre o cinema Super-8 no Brasil com textos introdutórios, verbetes sobre filmes e cineastas que filmaram nessa bitola popular nos anos 1960 e 1970 e utilizada ainda hoje

Luiz Zanin Oricchio

16 Fevereiro 2017 | 12h18

O pesquisador Antonio Leão da Silva Neto

O pesquisador Antonio Leão da Silva Neto

 

Em país de tão pouca memória e pesquisa escassa, todo livro de referência deve ser saudado. Ainda mais quando se debruça sobre uma bitola cinematográfica hoje pouco usada, como é o caso do Super-8, mas que deixou marcas profundas em nossa tradição de cinema. É o caso do volume Super-8 no Brasil: um Sonho de Cinema, de Antonio Leão da Silva Neto, editado parte com recursos próprios, parte com dinheiro proveniente de uma vaquinha virtual entre amigos. O livro será lançado hoje (16 de fevereiro), a partir de 18h, no MIS.  

Leão já é há bastante tempo figura conhecida entre críticos e amantes do cinema em geral. Cinéfilo desde criancinha, escolheu a pesquisa como seu ramo de atividade. A ele devem-se obras fundamentais como o Dicionário de Filmes Brasileiros, Fotógrafos do Cinema Brasileiro, Dicionário de Curtas-metragens Brasileiros e Astros e Estrelas do Cinema Brasileiro. A eles agora soma-se essa pesquisa sobre o cinema Super-8.

Bastante ampla, por sinal, embora o autor, modestamente (como convém a pesquisadores), diga que não tratou de esgotar o assunto. Em todo caso, em suas 624 páginas, de tipologia pequena, o livro é uma mão na roda para quem se interessa pelo cinema brasileiro e, em especial, pelo cinema independente, pois, como se sabe, a bitola Super-8, muito mais barata que as outras, foi a porta de entrada de muitos jovens diretores para o mundo da criação cinematográfica, antes da era digital.

livro super8

Na primeira parte, o livro contém as fichas de 5.519 filmes. Na segunda, são listados 3770 realizadores e 952 biografias. Essas duas partes são precedidas por textos de 12 convidados, formados por realizadores, pesquisadores e jornalistas, que testemunharam ou participaram dos movimentos superoitistas em várias regiões do país, como são os casos de Euclides Moreira Neto (Maranhão), Firmino Holanda (Ceará) e Fernando Trevas Falcone (Paraíba).

Entre os artistas que se iniciaram pelo Super-8 contam-se alguns bem conhecidos hoje, como Carlos Reichenbach, Cao Hamburger, Lais Bodanzky, Ivan Cardoso, Neville D’Almeida, Tony Belloto. E mesmo a atriz Regina Duarte, que fez sua estreia no cinema em 1966 com o filme em 8mm A Barreira, dirigida por Abrão Berman. Embora em desuso, muitos ainda cultivam o Super-8 e lutam contra dificuldades em conseguir negativos e revelá-los. Existem ainda dois festivais de cinema consagrados ao Super-8, em São Paulo e Curitiba. Como diz Leão, o “Super-8 ainda é usado em videoclipes, filmes publicitários, experimentos cinematográficos e também na captação de imagens de curtas em geral, com finalização em digital, etc, mostrando que a bitola está em plena forma e com vida saudável.”

O Super-8 portanto está vivo e revigora-se com a publicação deste livro.