Trilogia de Pinochet
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Trilogia de Pinochet

Luiz Zanin Oricchio

07 Outubro 2012 | 22h55

Com Não, sobre o referendo de 1988, o diretor Pablo Larraín completa sua trilogia do período Pinochet, cujos dois primeiros filmes são Tony Manero (2006) e Post Mortem (2010). São filmes que fizeram a fama internacional do cineasta e não apenas por seu caráter político e pela repulsa mundial a uma das mais sangrentas ditaduras latino-americanas.

Se em Não, Larraín vai direto à questão política através do marketeiro vivido por Gael García Bernal, em Tony Manero é mais alusivo, e nem por isso menos contundente. Seu ator fetiche,  Alfredo Castro, é um tipo meio descerebrado, cuja paixão obsessiva pelo John Travolta de Embalos de Sábado à Noite o leva a adotar o nome do personagem, Tony Manero. Seu grande sonho é vencer um desses concursos de TV para imitadores de astros. Enquanto isso, vive seu cotidiano medíocre como chefe da trupe mambembe composta por sua mulher, enteada e o marido desta. O ambiente sórdido às lembra o Ettore Scola e Sujos, Feios e Malvados. Por trás, o ambiente hostil da ditadura, irrespirável e caldo de cultura para o florescimento de todas as perversões pessoais. Singularmente, Raúl Peralta (Castro) parece muito adaptado a esse regime político que estimula os baixos instintos.

Post Mortem, que competiu em Veneza em 2011, tem Alfredo Castro outra vez como protagonista. Ele é Mario, escrivão do Instituto Médico Legal de Santiago. Anota o que o médico vai dizendo durante as autópsias e depois transcreve tudo em fichas datilografadas. Em sua vida cinzenta, Mario cai de amores pela vizinha, a atriz Nancy Puelmas (Antonia Zegers), dona de uma beleza estranha, exótica, talvez um tanto desequilibrada.

Desta vez, mais que em Tony Manero, visualizamos a atmosfera política pesada do Chile. A União Popular vai vivendo tempos difíceis e movimentos de rua tentam deter o golpe de direita, iminente. De repente, Mario e seus colegas de necrotério notam que o serviço aumenta demais. Começam a chegar corpos e mais corpos, a exigir autópsia. É, dos filmes de Larraín, o que registra o momento traumático do golpe. No conjunto, o cinema de Larraín estuda os efeitos da ditadura sobre as pessoas comuns, muito comuns, como o pobre Mário, ajudante de autópsias, ou Raúl, que queria ser John Travolta.