Já pensou que filme Bergman e Fellini fariam juntos?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Já pensou que filme Bergman e Fellini fariam juntos?

Bergman e Fellini se reuniram para discutir um filme conjunto que acabou não se concretizando

Luiz Zanin Oricchio

10 Outubro 2016 | 18h38

Bergman e Fellini

Quem me enviou esta foto foi o crítico Ely Azeredo. Ela a mostra a reunião entre Federico Fellini e Ingmar Bergman, e mais a atriz Liv Ullmann, para discutir um filme que os dois fariam juntos. Seria um longa de episódios, um de cada diretor. Segundo Ely, La Strada (A Estrada da Vida) era um dos favoritos de Bergman. Não sei qual o Bergman favorito de Fellini. Mas não custa especular que seria Noites de Circo, talvez. Puro chute, baseado nas fantasias do mestre de Rimini.

Bem, podemos sonhar à vontade porque, por motivos que desconheço, o filme não se realizou. E sonhemos, porque essas duas figuras aí estão entre as maiores que o cinema produziu em seus 120 anos de existência. A Bergman devemos obras como Morangos Silvestres, O Sétimo Selo, Persona e Gritos e Sussurros. A Fellini, A Doce Vida, 81/2, Amarcord, Satyricon. Para ficar em alguns deles. Foram dois gigantes.

Eu ficaria numa saia justa se tivesse de escolher um em detrimento do outro. Mas não nego que meu coração pende para Fellini. Por quê? Porque, acho, há um pequeno diferencial que o beneficia. Ambos eram profundos, originais, criativos, densos. Porém, Fellini tinha um senso de humor que faltava a Bergman. De modo que os filmes de Fellini me causam uma impressão um tanto mais colorida, digamos assim. São mais cheios de humanidade, em parte porque ele não faz questão de revelar suas imperfeições e, em alguns casos, até seu cabotinismo. Bergman é mais atormentado, sério, noturno. E, pelo menos na obra, não teve o humor como fator de alento diante da aspereza da vida.

Fico imaginando esse filme hipotético, com dois episódios igualmente sublimes, porém de colorações afetivas diferentes, segundo estilo mais profundo de cada diretor. Talvez a divina Liv participasse dos dois, por que não?

Pena. Não rolou.