Filme argentino ‘Ninguém Está Olhando’ vence o Cine Ceará
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Filme argentino ‘Ninguém Está Olhando’ vence o Cine Ceará

Longa é sobre ator argentino, famoso em seu país, que tenta fazer carreira em Nova York. O cubano Últimos Dias em Havana' também foi bem premiado, com troféus de direção e fotografia

Luiz Fernando Zanin Oricchio

11 Agosto 2017 | 22h21

 

Fortaleza – O argentino Ninguém Está Olhando, de Julia Solomonoff, foi o grande vencedor do 27 º Cine Ceará. O longa ganhou também os prêmios de melhor ator (Guillermo Pfening) e montagem, além do da crítica, oferecido pela Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema). Conta a história de um ator de novelas muito famoso na Argentina, que tenta a sorte em Nova York. O filme é ok.

Havia, no entanto, apenas um grande filme em Fortaleza, Últimos Dias em Havana, e este foi agraciado com os troféus de direção, para Fernando Perez, e fotografia (Raul Perez Ureta). Conta o convívio de dois amigos, num cortiço no bairro popular de Centro Havana. Um deles deseja ir para os Estados Unidos. O outro está à morte, sofre de Aids e tem os dias contados. É uma comovente imersão na realidade cubana, sem qualquer atenuante, conservando porém o sentido humano próprio da obra do diretor. Pena que o júri oficial não tenha reconhecido a tremenda superioridade cinematográfica deste filme em relação aos outros.


Outro filme cubano, o um tanto maniqueísta Santa e Andrés, foi premiado pelo que tem de pior, o roteiro. Ganhou também o troféu de melhor atriz, para Lola Amores, este justificável. Ela faz o papel de uma comissária do povo encarregada de vigiar um desafeto do regime durante alguns dias.

O badaladíssimo Uma Mulher Fantástica, do Chile, que havia sido premiado em Berlim, ficou apenas com dois prêmios, trilha sonora original e som.

A fraca participação brasileira faturou apenas um prêmio entre os longas-metragens: direção de arte para Malasartes contra o Duelo da Morte.

O melhor curta foi para o paulista Festejo Muito Pessoal, de Carlos Adriano. Valentina (Rio) ganhou o troféu de direção e Memórias do Subsolo (Ceará) ficou com o troféu de roteiro. A crítica elegeu Vênus Filó – a Fadinha Lésbica.

Abaixo, a premiação completa:

 

PREMIADOS

Mostra Competitiva Ibero-americana de Longa-metragem:

Troféu Mucuripe

Melhor Longa-metragem – Ninguém está olhando, de Julia Solomonoff

Melhor Direção – Últimos dias em Havana – Fernando Pérez

Melhor Fotografia – Últimos dias em Havana – Raúl Pérez Ureta

Melhor Montagem – Ninguém está olhando – Andrés Tamborino, Karen Sztanjberg e Pablo Barbieri.

Melhor Roteiro – Santa e Andrés – Carlos Lechuga

Melhor Som – Uma mulher fantástica – Isaac Moreno

Melhor Trilha Sonora – Uma mulher fantástica – Matthew Herbert

Melhor Direção de Arte – Malasartes e o Duelo com a Morte – Tulé Peake

Melhor Ator – Ninguém está olhando – Guillermo Pfening

Melhor Atriz – Santa e Andrés – Lola Amores

Prêmio da Crítica (Abraccine) – Ninguém está olhando, de Julia Solomonoff

Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem:

Troféu Mucuripe

Melhor Curta-metragemFestejo Muito Pessoal, de Carlos Adriano

Melhor Direção – Valentina – Estevão Meneguzzo e André Félix.

Melhor Roteiro – Memórias do subsolo ou o homem que cavou até encontrar uma redoma, de Felipe Camilo.

Melhor Produção Cearense – Caleidoscópio, de Natal Portela    

Prêmio da crítica (Abraccine) – Filó a fadinha Lésbica, de Sávio Leite

Mostra Olhar do Ceará:

Troféu Mucuripe

Melhor Curta-metragem – A Lenda Cotidiana, de Bárbara Moura e S. de Sousa

Prêmio Olhar Universitário:

Troféu Mucuripe

Melhor Curta-metragem – Simbiose, de Júlia Morim

Melhor Longa-metragem – Últimos dias em Havana, de Fernando Pérez

PRÊMIOS ESPECIAIS

Troféus Samburá:

Melhor Curta-metragem – Valentina, de Estevão Meneguzzo e André Félix

Melhor Diretor – Vando Vulgo Vedita, de Andreia Pires e Leonardo Mouramateus

Prêmio Unifor de Audiovisual:

Melhor Curta-metragem – A Lenda Cotidiana, de Bárbara Moura e S. de Sousa

Prêmio CiaRio:

Curta-metragem Brasileiro – Festejo Muito Pessoal, de Carlos Adriano

Prêmio Mistika (Masterização em DCP)

Melhor Produção Cearense da Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem –

Caleidoscópio, de Natal Portela

Melhor Curta-metragem da Mostra Olhar do Ceará – A lenda cotidiana, de Bárbara Moura e S. de Sousa

Prêmio Canal Brasil de Curtas:

Melhor filme da Mostra Competitiva Brasileira de Curta-metragem (R$ 15.000,00) – Memórias do subsolo ou o homem que cavou até encontrar uma redoma, de Felipe Camilo

 

Mostra Curta Cocó:

Melhor Curta-metragem – O que é Parque do Cocó?, de Marilia Alencar

 

Mais conteúdo sobre:

Festival Cine Ceará 2017
0 Comentários