As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Dupla autoria de Cão sem Dono

Luiz Zanin Oricchio

26 Junho 2007 | 14h00

Andei escrevendo de novo sobre Cão sem Dono porque me parece um filme que vai ficar. Aliás, nem sei se vai ficar ou não. Escrevi porque o filme me agrada, acho um dos melhores do ano. Acontece que na última matéria que escrevi sobre ele, no Guia do Estadão de sexta-feira passada, dei apenas Beto Brant como diretor, omitindo o nome de Renato Ciasca, que divide a autoria do filme. Levei uma bronca de uma pessoa ligada à produção por causa do esquecimento. Me disse que o Renato havia ficado “sentido”. Bem, passemos.

Essa questão de co-autoria é sempre meio complicada, pelo menos para mim. Temos as mais conhecidas – os irmãos Taviani, os Coen e, mais recentemente, os belgas Dardenne. São irmãos. Não tenho muito claro o que um faz e o que o outro realiza. Assinam os filmes juntos e ponto. Aqui no Brasil, Waltinho Salles tem dividido direções com Daniela Thomas, como são os casos de Terra Estrangeira e O Primeiro Dia, entre outros. Lembro de que quando quis entrevistar Walter sobre O Primeiro Dia, ele fez questão de que Daniela fosse entrevistada também. Para marcar a co-autoria, sabendo ele muito bem que era o nome mais conhecido da dupla por ter ganhado um Urso de Ouro em Berlim, entre outras coisas. E também por ser um perfeito cavalheiro.

Também por aqui já houve problema por causa de co-autoria, pois Katia Lund achava que deveria assinar Cidade de Deus junto com Fernando Meirelles, mas este não era da mesma opinião. Não sei como isso terminou, só sei que Cidade de Deus aparece sob uma única assinatura, a de Meirelles. Enfim, esse é um caso litigioso. Mas que recoloca o problema de sabermos de quem é a “autoria” final de um filme. Ou autoria completa, se é que isso existe.

No caso de Cão sem Dono, então, a direção é de Beto Brant e Renato Ciasca. Tendo a esquecer da dupla porque Beto é um diretor já bastante conhecido de quem escreve sobre cinema e Ciasca faz o seu début como diretor de longas. Aliás, co-diretor.

Quando comentei a omissão com minha mulher, ela me aconselhou um recurso mnemônico. “Faça como se fosse uma firma: Brant & Ciasca”. Então ficamos assim: Brant & Ciasca – Secos e Molhados. Ou Ciasca & Brant – Móveis, utensílios e decoração.