As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Diário do Olhar de Cinema 2014: Michel Houellebecq, sequestrado de si mesmo

Luiz Zanin Oricchio

02 Junho 2014 | 11h29

CURITIBA – Em meio a uma mostra muitas vezes sisuda e de alto empenho cultural, como a do Olhar de Cinema 2014, sempre é um respiro assistir a uma comédia. Ainda mais quando se trata de uma comédia-cabeça como este O Sequestro de Michel Houellebecq, de Guillaume Nicloux.

Houellebecq, sabemos, é o escritor polêmico de livros como Partículas Elementares e Plataforma. Sempre esteve em meio a discussões e já houve quem o chamasse de escritor fascista. Ou pelo menos provocador gratuito. Ganhou o Goncourt, o principal prêmio literário francês. Bem, no filme, ele interpreta a si mesmo. É um escritor problemático, com gosto pela solidão, relacionamentos difíceis…até o dia em que é sequestrado por uma trinca de fortões e fica dependente de que lhe paguem o resgate para ser libertado.

Fosse um filme sério e poderíamos falar de “Síndrome de Estocolmo”, aquela que fez o sequestrado se relacionar de maneira afetuosa com seus seqüestradores. Como estamos no registro do cômico, também essa estranha reação psicológica será tratada na chave do riso. De fato, é bastante engraçado acompanhar as discussões de literatura entre o escritor e um dos captores que leu seu ensaio sobre Lovecraft e não está de acordo sobre certas passagens. De outro lado, um fisicamente capenga Houellebecq aprenderá rudimentos de musculação e artes marciais com seus captores.

O registro cômico é sutil, como convém a uma comédia francesa e, mais ainda, quando envolve a figura midiática de um escritor. O fato é que o sequestro e isolamento do depressivo Houellebecq é tratado como se fosse a melhor coisa que poderia lhe ter acontecido. Até mesmo sua vida amorosa melhora. Para não dizer que expande o círculo de amizades para além das fronteiras habituais, formadas por outros intelectuais tão tristes e neuróticos quanto ele.

Enfim, em meio a tantos filmes muito bons, mas muitos em registro tão frio quanto a temperatura de Curitiba, O Sequestro de Michel Houellebecq revela-se um programa desopilante. E, diga-se, intelectualmente estimulante, pois as duas coisas podem (devem) andar juntas.