As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Branco Sai. Preto Fica ganha o Festival de Brasília

Luiz Zanin Oricchio

24 Setembro 2014 | 00h30

BRASÍLIA – Branco Sai, preto Fica, de Adirley Queirós (DF), é o grande vencedor do 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. O longa, que mostra o apartheid entre a cidade satélite Ceilândia e o Plano Piloto de Brasília, levou também os troféus de direção de arte, ator, e critica, além de vários prêmios paralelos.

Ao receber o troféu, o diretor elogiou a coragem da curadoria e destacou o caráter político do festival, que andou sendo contestado ao longo do evento. Aliás, o presidente do juri, o cineasta Orlando Senna, ressaltou que o festival nunca foi tão político como agora, afirmação que merece ser relativizada.

Mas a surpresa maior estava reservada para o final da premiação. Declarando-se contrários à disparidade entre o prêmio principal (R$ 250 mil) e os outros, os diretores dos seis longas fizeram um acordo prévio, mantido em sigilo, de dividi-lo entre os longas-metragens participantes qualquer que fosse o vencedor. Essa demonstração de coleguismo e consciência política comoveu a todos que assistiam à cerimônia no Cine Brasília. Fica como a marca mais bonita desta edição do festival.

Abaixo, os principais prêmios.

Longas

Brasil S/A. Montagem, Som, trilha sonora, roteiro, direção (Marcelo Pedroso)
Sem pena. Júri popular
Ventos de agosto. Fotografia, atriz (Dandara de Morais)
Branco Sai, Preto Fica: Direção de arte, Critica, ator(Marquim do Tropa) Melhor filme
Ela volta na quinta. Atriz coadjuvante (Élida Silpe), ator coadjuvante (Renato Novais)

Curtas
Estátua!: roteiro, atriz (Maeve Jinkings)
Geru: Som, ator (Zé Dias)
Loja de répteis: trilha sonora, direção de arte, fotografia
Sem Coração: Montagem, direção (Nara Normande e Tião). Melhor filme
Crônicas de uma cidade inventada. Júri popular

Mostra Brasília

Melhor longa: branco sai, preto fica
Melhor Curta: Crônica de uma cidade inventada
Público: Zirig Dum. Brasília a arte e o sonho de Renato Matos

Premiação Completa.

FILMES DE LONGA-METRAGEM

Melhor filme (R$ 250.000,00) – Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós

 

Melhor filme pelo júri popular (R$ 50.000,00) – Sem pena, de Eugenio Puppo

 

Melhor direção (R$ 30.000,00) – Marcelo Pedroso, por Brasil S/A

 

Melhor ator (R$ 15.000,00) – Marquim do Tropa, por Branco sai. Preto fica

 

Melhor atriz (R$ 15.000,00) – Dandara de Morais, por Ventos de Agosto

 

Melhor ator coadjuvante (R$ 10.000,00) – Renato Novais de Oliveira, por Ela volta na quinta

 

Melhor atriz coadjuvante (R$ 10.000,00) – Élida Silpe, por Ela volta na quinta

 

Melhor roteiro (R$ 15.000,00) – Marcelo Pedroso, por Brasil S/A

 

Melhor fotografia (R$ 15.000,00) – Gabriel Mascaro, por Ventos de Agosto

 

Melhor direção de arte (R$ 15.000,00) – Denise Vieira, por Branco sai. Preto fica

 

Melhor trilha sonora (R$ 15.000,00) – Mateus Alves, por Brasil S/A

 

Melhor som (R$ 15.000,00) – Pablo Lamar, por Brasil S/A

 

Melhor montagem (R$ 15.000,00) – Daniel Bandeira, por Brasil S/A

 

FILMES DE CURTA-METRAGEM

 

Melhor filme (R$ 35.000,00) – Sem coração, de Nara Normande e Tião

 

Melhor filme pelo júri popular (R$ 25.000,00) – Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano

 

Melhor direção (R$ 15.000,00) – Nara Normande e Tião, por Sem coração

 

Melhor ator (R$ 10.000,00) –  Zé Dias, por Geru

 

Melhor atriz (R$ 10.000,00) – Maeve Jinkings, por Estátua!

 

Melhor roteiro (R$ 10.000,00) – Gabriela Amaral Almeida, por Estátua!

 

Melhor fotografia (R$ 10.000,00) – Beto Martins, por Loja de répteis

 

Melhor direção de arte (R$ 10.000,00) – Juliano Dornelles, por Loja de répteis

 

Melhor trilha sonora (R$ 10.000,00) – Piero Bianchi, Vinícius Nunes e Mateus Alves , por Loja de répteis

 

Melhor som (R$ 10.000,00) – Fábio Baldo, por Geru

 

Melhor montagem (R$ 10.000,00) – Nara Normande e Tião, por Sem coração

 

PRÊMIO MARCO ANTÔNIO GUIMARÃES: Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos, de André Luiz Oliveira

PRÊMIO CANAL BRASIL: Sem coração, de Nara Normande e Tião

PRÊMIO EXIBIÇÃO TV BRASIL: Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós PRÊMIO ABRACCINE

Melhor filme de curta-metragem: Estátua!, de Gabriela Amaral Almeida

Melhor filme de longa-metragem: Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós

PRÊMIO SARUÊ: Branco sai. Preto fica, de Adirley Queirós

PRÊMIO VAGALUME

Melhor filme de curta-metragem: Crônicas de uma cidade inventada, de Luísa Caetano

Melhor filme de longa-metragem: Ventos de Agosto, de Gabriel Mascaro

PRÊMIO CONTERRÂNEOS: Zirig Dum Brasília – A Arte e o Sonho de Renato Matos, de André Luiz Oliveira