Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » ‘Tropa 2’

Cultura

Luiz Carlos Merten

06 Outubro 2010 | 01h18

CAMPINAS – Estou de volta ao hotel, em Campinas, depois de assistir, em Paulínia, a ‘Tropa de Elite 2’. Vim na mesma van com parte da equipe do filme – o diretor José Padilha. Wagner Moura. Ele recebeu um torpedo. Foi o melhor ator do Festival do Rio, por ‘VIPs’. Não sei nem se a informação é verdadeira. Vou checar depois. O resultado já deve estar na internet. Perdi a premiação para estar aqui na pré-estreia de ‘Tropa 2’. Quando o filme terminou, fiquei parado, impactado. Me deu uma tremenda vontade de chorar, um vazio. Vocês talvez sintam isso quando assistirem ao filme. É tanta miséria, falo da miséria moral, esse casamento de milícia e política que Padilha critica e que não se circunscreve ao Rio, cenário da ação. São imagens de Brasília, sobre as quais se superpõe a voz do coronel Nascimento, dizendo que lutou contra o sistema e sua luta agora era pessoal. O sistema é f…, ele diz, e é verdade. Imagino que o filme poderia ter feito um estrago, se fosse lançado antes da eleição de domingo. O debate sobre segurança vai continuar, para os presidenciáveis. Não creio que Dilma e Serra consigam passar incólumes pelo efeito ‘Tropa 2’. Terão de se manifestar. No caminho de Paulínia, fui em outra van, com atores e o diretor de fotografia Lula Carvalho. O clima era de euforia, mas também de guerra. Cantaram toda a viagem, ‘Uma Vez Flamengo’, ‘Mangueira’. A torcida do Fla, a caminho do Maracanã, deve entoar todos aqueles hinos. senti que havia pisado na bola quando falei no Tiririca carioca, uma coisa que tenho ouvido muito no rio, nas ruas e de taxistas. ‘O Gla, pior do que está, não fica.” Receberam mninha pisada com o maior silêncio, só o Lula, o Carvalho, riu. A volta não foi tão festiva, eu, pelo menos, estava mergulhado em pensamentos sombrios. Tudo aquilo que Wagner Moura, o roteirista Bráulio Mantovani e o músico Pedro Bromfman me disseram se confirmou. O filme é mais maduro, mais forte. Nascimento está mais denso, e Wagner, melhor ainda. O filme é centrado na sua relação com o filho e na guerra com a milícia. Enquanto escrevo, ouço o clamor das vozes. A equipe comemora o sucesso da noite aqui ao lado. Não tenho condições de ir adiante. queria somente deixar registrada essa primeira impressão. É tarde, preciso viajar cedo. Volto ao Rio para assistir, à noite, a ‘Lope’, de Andrucha Waddington. Preparem-se para o ‘Tropa 2’. Padilha conseguiu. O filme é uma porrada.