As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Todas as caras de Alec Guinness

Luiz Carlos Merten

23 Junho 2014 | 09h45

Não sei como o público de Os Vizinhos vai reagir a uma comédia como As Oito Vítimas, de Robert Hamer, que está saindo em DVD pela Cult. Se forem como eu, vão morrer de rir Os Vizinhos tem todas aquelas grosseiras piadas de sexo, mas eu confesso que o que me perturbou no filme foi o desfecho. Seth Rogen e a mulher fazem de tudo para destruir Zac Effron e sua fraternidade que se instalaram na vizinhança e perturbam a calma da família (e do bebê). É verdade que papai e mamãe estão maios interessados em retomar o sexo e o bebê vira um peso, mas deixa pra lá. A coisa tem uma dimensão, digamos, política. A América, dizia Arthur Penn, só consegue resolver seus conflitos pela violência. Pra que diálogo? Porrete (big stick) neles, isso é, em nós. Anos mais tarde – nem são anos, meses -, Rogen e Effron se reencontram e é como se nada tivesse ocorrido. Oi, vizinho.. Pois tirando o sexo, como motivo gráfico, mais até que verbal, As Oito Vítimas consegue ser muito mais amoral. Não consigo imaginar o impacto que o filme teve ao surgir, em 1949, mas foi grande. Sempre ouvi falar de As Oito Vítimas, mas tinha certa preguiça. Humor inglês… Eles são sempre tão esnobes. Canso-me até com a maneira como Mike Leigh caricaturiza seus pares. Vera Drake, Mr. Turner não me parecem ‘reais’, pessoas que existiram de verdade. São caricaturas do inglês tradicional. E aí fui ver As Oito Vítimas. O nono na linha de sucessão a um título nobiliárquico resolve eliminar os oito que o precedem, até como vingança pela mãe que foi hostilizada por haver-se casado com um homem abaixo de seu nível. A história é contada pelo próprio assassino, que espera a execução. Ele lamenta – ‘Pobre mamãe, sofreu tanto.’ Mas o que vemos não é mamãe sofrendo. E também, pelo recurso de fazer com que todas as vítimas sejam interpretadas pelo mesmo ator – Alec Guinness -, o diretor e roteirista Robert Hamer elimina nossos pruridos morais. Esperamos alegremente pela próxima composição de Guinness – um esnobe, um general, um fotógrafo, um almirante, uma sufragete etc – e nem pensamos que estamos vendo um assassino em série matar por poder (e dinheiro). Diverti-me mais com, As Oito Vítimas do que imaginava. E Guinness era op rei da composição. Não foi à toas que David Lean lhe deu todos aqueles papeis em seus épicos, permitindo-lhe mudar de filme para filme.