Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Tintim

Cultura

Luiz Carlos Merten

21 Janeiro 2012 | 20h05

Assisti hoje pela terceira vez a ‘Tintim’. Havia visto o filme de Steven Spielberg em Dubai, revi em Santiago e nas vezes anteriores não houve ‘clic’, ao contrário de ‘Cavalo de Guerra’, pelo qual me apaixonei imediatamente. Hoje, finalmente, entrei no clima da aventura e curti, mas não é um grande Spielberg. Tecnicamente, sim, mas foi justamente isso que, no limite, ainda terminou me incomodando desta terceira vez. Deixem-me contar que estava no Centro, havia comprado uma calça e fui no meu alfaiate favorito, na Galeria do Rock, para que ele me fizesse a barra. O cara me pediu um tempo, fui almoçar, na saída havia armado para cair o maior temporal. Aproveitei e entrei no PlayArte Marabá para ver ‘As Aventuras de Tintim’ em 3-D (e dublado). Havia lido uma entrevista da produtora Kathleen Kennedy em que ela dizia que Spielberg é muito reticente em relação às novas tecnologias, leia-se o digital. Ele achava que só faria sentido filmar ‘Tintim’ tentando reproduzir o visual de Hergé e para isso o ‘motion capture’ era o método mais adequado e ele topou fazer. Mas Spielberg gosta da película, das filmagens tradicionais e o que Kathleen Kennedy fez foi reunir uma equipe de ‘fiéis’, para deixar o diretor bem à vontade. A técnica, insisto, é prodigiosa, mas ao mesmo tempo, sabendo que ela é baseada na captura do movimento dos atores – menos Milu, o cãozinho, que é todo digital -, na cena da perseguição, quando Tintim e Haddock correm atrás de Sakharin para recuperar as cartas com as coordenadas para localizar o tesouro (e, no processo, destroem a cidade), eu ficava o tempo todo me perguntando – ‘Mas como isso foi feito?’ Nas aventuras de Indiana Jones, mesmo em ‘O Reino das Caveira de Cristal’ – Tintim não deixa de ser um jovem Indiana Jones -, nunca fico travado pensando na técnica. Entro na fruição e… fui! No caso de ‘Tintim’, havia esse filtro. A certeza de estar no cinema, assistindo a uma animação, coisa que nem animações como a genial ‘Ratatouille’  me fazem sentir. Mas é bacana. Peter Jackson vai dirigir o 2 e ouço dizer que James Cameron está sendo sondado para o 3. Cool!

Encontrou algum erro? Entre em contato