Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Terremoto no Lido (brincadeirinha, claro)

Cultura

Luiz Carlos Merten

29 Agosto 2007 | 10h07

O cinema contou muitas vezes a história dos irmãos Jesse e Frank James, que se tornaram bandidos lendários do Velho Oeste americano. Henry King (Jesse James) e Nicholas Ray (Quem Foi Jesse James?/The True Story of Jesse James) foram dois diretores importantes que abordaram o assunto em westerns considerados clássicos – o de King com Tyrone Power e Henry Fonda e o de Ray com Robert Wagner e Jeffrey Hunter, que seria depois o Cristo de O Rei dos Reis, do mesmo diretor. Por que estou tirando Jesse James do baú? Porque uma das sensações anunciadas da Mostra de Veneza, que começa hoje, é The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford, de Andrew Dominik, com Brad Pitt no papel de Jesse e Casey Affleck no do assassino. Hollywood tem sido refratária ao western, enquanto tendência, embora as tentativas isoladas de grandes diretores, como Clint Eastwood, sejam sempre celebradas pela academia (Os Imperdoáveis ganhou os principais Oscars de 1992). Um western com o astro Brad Pitt poderá reativar o interesse do público pelo gênero, quem sabe? Não quero estender muito o assunto, porque o ponto deste blog é outro. Em Cannes, em maio, Brad Pitt e Angelina Jolie, o casal 20 de Hollywood, sacudiram o festival como um terremoto. Cannes é sempre um território de mundanidade, indissociável da arte, mas foram raras as personalidades que provocaram tanto furor na Croisette – Madonna, Lady Di. Pitt voltou a Cannes para a exibição especial de 13 Homens e Um Novo Segredo e como produtor de A Mighty Heart, de Michael Winterbottom, com a Jolie Angelina na pela da viúva do jornalista Danny Pearl, executado no Paquistão por um grupo de radicais islâmicos. Ia escrever que era o novo Winterbottom, mas fui ao IMDb para pesquisar o nome do jornalista e vi que Winterbottom tem um filme em pós-produção, está rodando outro e tem um terceiro engatilhado para iniciar logo. É um fenômeno, o cara. De volta a Brad e Angelina – ele irá a Veneza prestigiar o filme que interpreta? Levará a mulher? Acho que metade do tumulto que os dois provocaram em Cannes bastaria para afundar o Lido. É brincadeirinha, claro.