Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Tergiversando

Cultura

Luiz Carlos Merten

15 Fevereiro 2012 | 09h34

BERLIM – Paulo Antunes faz um comentario corrigindo o vernaculo, muito bem. Os comentarios, jah disse, entram como e-mails e eu aprovo na sequencia, no automatico. Tenho essa memoria do caoh, caso contrario naoh me aventuraria a fazer entrevistas sem gravador e, mesmo assim, erro. Tenho certeza de que Susana Amaral ateh hoje naoh me perdoa ter trocado uma palavra numa declaracaoh dela, mas aih acho que foi erro de digitacaoh e, com todo respeito pelo seu trabalho, naoh altera em nada meu desconforto diante de Hotel Atlantico, que considero um desastre (e tenho grande respeito pelo trabalho dela). Mas volto ao comentario do Paulo. Naoh sei mais onde foi postado. Lembrava-me de haver escrito – Renata Almeida estah em tratativas para levar Outubro… Fui ao post do Eisenstein e era o que estava escrito. Enfim, se escrevi em algum momento, em outro post, se trazer – eh dose. Onde quer que esteja escrito, o puxaoh de orelhas eh merecido. Era o que fazia com a gente Dona Anita, minha primeira professora. Dona Anita carregava uma regua, com a qual batia na cabeca da gente. Hoje seria acusada de abuso, bullyng, o escambau. Eu, com tanta coisa para ficar traumatizado, sobrevivi e ateh a entendo. Por que estou escrevendo isso? Com tanta coisa para falar aqui da Berlinale – acabo de entrevistar Miguel Gomes, do belo Tabu; assisti ao filme da Indonesia, Postcards from the Zoo -, pode ateh ser perda de tempo, mas algum motivo obscuro, inconsciente, devo ter, porque sentei aqui e foi a primeira coisa que me veio. Quero aproveitar para enviar um recado a meu amigo Fernando Severo. Depois que me converti a Eisenstein – perdaoh, a Outubro -, tenho de ouvir todo dia de Joseh Carlos Avellar que vai haver por aih uma sessaoh de um filme legal desse Sergei – um tal de Potemkin -, mas o recado para o Severo eh outro. Em Paris, o Accatone, no Quartier Latin, estah mostrando Nostalgia e O Sacrificio, dois cults de Andrei Tarkovski. Jah havia comprado ingresso para o primeiro quando descobri que, no ciclo cinema e literatura da Filmoteca do Quartier, havia a leitura de Irene Jacob. Desisti de Tarkovski e fui ver Marguerite Duras, Nathalie Granger. Ainda naoh foi desta vez que me rendi ao Tarkovski, Severo, e tu naoh es o unico a querer me converter – Antonio Goncalves Filho tambem acha que eh uma lacuna na minha formacaoh. Para fechar o post, naoh resisto a postar o que disse Miguel Gomes. O cinerma que lhe interessa eh o classico americano, de autores como Vincente Minnelli, cujo artificialismo ele reproduz na segunda parte, em preto e branco e muda, de seu filme, inclusive com aquele comentario of completamente literario. Miguel Gomes foge do naturalismo e do realismo dominantes no cinema atual. Um representante perfeito do que ele naoh gosta eh justamente o presidente do juri deste ano, Mike Leigh. Tabu naoh tem chances, portanto? O proprio Miguel Gomes lembra que Leigh tem na sua filmografia pelo menos um trabalho diferente – Topsy Turvy. Se estiver no seu dia de Topsy, Tabu tem chance. Espero.