Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Super-Camila

Cultura

Luiz Carlos Merten

11 Julho 2007 | 14h24

Foram ótimas as entrevistas com o pessoal de Saneamento Básico – O Filme, ontem. Jorge Furtado, Lázaro Ramos, Fernanda Torres, Bruno Garcia. E, claro, Camila Pitanga e Wagner Moura, que só chegaram à noite, em cima da pré-estréia realizada no Shopping Eldorado. Virou uma noite de Hollywood em São Paulo. Só faltou o tapete vermelho. Toda a mídia da cidade, e muitos fãs, foram ver a Bebel de Paraíso Tropical. Camila curte o segundo boom de sua carreira. No primeiro, há dez anos, ela foi convertida em símbolo sexual. Virou celebridade. Hoje, continua gostosérrima, mas o reconhecimento não é só da mulher bonita, mas da atriz. Um reconhecimento ao trabalho, e isso a faz mais feliz. Camila me deu uma bela entrevista que é a capa do Caderno 2 de amanhã. Falamos de novela, de política, de Saneamento Básico, de Noel, o Poeta da Vila. Já falei muitas vezes, aqui, do filme do Ricardo Van Steen, no qual ela faz Ceci, a dama da noite. Bebel é a prostituta que está vivendo seu sonho de Cinderela na novela de Gilberto Braga, com cenas chupadas de Uma Linda Mulher – a ida à butique, quando as funcionárias se recusam a atendê-la. Ceci é p… num outro quadro, num outro contexto. Uma dançarina de cabaré da Lapa, nos anos 30, no auge da boemia, com uma trajetória oposta à de Bebel. Uma sobe, a outra desce vertiginosamente, para a degradação física e a morte. Camila é maravilhosa, sempre, mas tem duas ou três cenas em Noel que me arrebatam (e arrebentam). E ela é bacharelanda em teoria teatral. Além de tudo aquilo – temo estar sendo machista –, você ainda pode ter um papo super-cabeça com ela! Camila viu o DVD de Hiroshima, Meu Amor, da Aurora, no qual fiz a apresentação da obra-prima de Alain Resnais. Ficou chapada pelo filme e, principalmente, pelo texto da Duras. ‘Tu n’as rien vu à Hiroshima/Oui, je tout vu’. Camila anda louca para fazer teatro, depois de descansar um pouco da maratona da novela (lá por outubro) e dos filmes. Quem sabe uma adaptação de Hiroshima para o teatro? Espero não estar cometendo nenhuma indiscrição que comprometa futuros projetos dela, mas… Quem Sabe?