As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Seleção Rio (2)/Dolorosos (e belos) exercícios de memória de Paz Encina

Luiz Carlos Merten

14 Novembro 2017 | 09h23

Vamos ter hoje à tarde o Exercícios de Memória, de Paz Encina. O filme, de 2016, creio que havia passado na Mostra anterior, mas integrou a programação do Festival do Rio, em outubro, como homenagem a Paz Encina, que estava no júri. Tomei um choque quando descobri isso. Paz Encina no Rio? E eu não falei com ela? Até agora estou tentando entender como, e por quê. A paraguaia Paz realizou um dos mais belos filmes latino-americanos. Hamaca Paraguaya. O casal de velhos, nas bordas da floresta, conversando o esperando o filho – ou a morte? Há um livro de um autor gaúcho que parte de uma situação similar – Enquanto a Noite não Chega, de Josué Guimarães. Meu amigo Dib Carneiro não conhecia nem o livro nem o filme quando escreveu Paraíso, para mim, seu mais belo texto, que Antônio Abujamra destroçou numa montagem… Falta-me o adjetivo. Durante décadas, entre 1954 e 89, o Paraguai foi o feudo do ditador Alfredo Stroessner. No país amordaçado, poucos se atreviam a contestar seu poder. Agustin Goiburu o fazia. Virou a voz da oposição. Foi exilado na cidade argentina de Paraná. Em 1976, sumiu. Desapareceu sem deixar vestígio. Passaram-se 40 anos e, no ano passado, Paz Encina, com os três filhos de Goiburu, voltou ao local para tentar descobrir o que se passou. O filme não é só esse exercício de memória pessoal, familiar. Investiga a história do país, naquele momento em que todo o Cone Sul estava em mãos de militares. Estou indo daqui a pouco para a cabine de Liga da Justiça. À tarde, vou tentar (re)ver Exercícios de Memória. Paz Encina! A Seleção Rio, do Festival do Rio, já está terminando no Cinesesc. Amanhã, teremos um fecho glorioso – Ex Libris, o documentário de Frederick Wiseman, e Edward II, de Derek Jarman, na mostra do queer britânico. Em 1991, fui a Veneza pela primeira vez. Jarman apresentava seu longa adaptado de Christopher Marlowe. Ele era underground total. Entrevistei-o, e a Tilda, que também não era ainda uma estrela. Tilda ganhou a Taça Volpi de melhor atriz. O filme começa com o rei na cama com seu favorito, Gaveston. Eram amantes? O rei era gay? Homo-erotismo e homofobia. Derek Jarman, a par de ter sido gay (assumido), foi um grande artista. Tilda era sua musa. Até hoje preserva seu legado. Vamos ter de voltar amanhã a Jarman e a seu Edward II.