Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Ségolène

Cultura

Luiz Carlos Merten

01 Maio 2007 | 11h13

Países com tensões (culturais e sociais) muito fundas terminam por viver processos assemelhados, mesmo que sejam do 1º ou 3º Mundo. Estou pensando na França e no Brasil. A eleição que levou ao segundo mandato de Luiz Inácio Lula da Silva elevou a temperatura – e às vezes baixou o nível – da discussão política no País. Agora são os franceses que estão indo às urnas no domingo, numa eleição polarizada pelo conflito esquerda/direita. Os especialistas dizem que o abismo entre as duas frentes está cada vez menor e análises feitas antes do primeiro turno já antecipavam que as questões trabalhistas são o pomo de discórdia das plataformas dos principais candidatos que, de resto, não têm posições tão conflitantes assim e enfrentam o mesmo problema. A França precisa de reformas estruturais urgentes. L’Express, Figaro, Le Monde, Nouvel Observateur, Libé, toda a imprensa vem batendo nessa tecla, e não é de agora. Como era esperado, a socialista Ségolène Royal e o candidato de centro-direta Nicolas Sarkozy estão indo para o segundo turno. A França está dividida. O mundo das artes está dividido. Cahiers du Cinéma deu uma capa sobre o que o cinema francês espera dos candidatos – uma defesa firme do seu direito de imagem e não uma submissão aos interesses de Hollywood, disfarçada como defesa da economia de mercado. As revistas mais populares voltam-ase para o apoio dos artistas. A edição de março de Première (a edição francesa) está à venda nas bancas brasileiras. Traz Emmanuelle Béart na capa, numa reportagem sugestivamente intitulada ‘Mon Image et moi’ (Minha imagem e eu), sobre a qual quero falar, mas depois. O que importa, agora, é uma chamada no alto, à direita – Exclusif: Les Artistes Face à la Politique (Exclusivo – Os Artistas em face da Política). Première lista quem apóia quem e não deixa de tomar partido. Abre as páginas dedicadas ao assunto com uma foto de Ségolène Royal ao lado de Jamel Debbouze, o grande ídolo de cinema dos franceses médios, supercampeão de bilheterias no país. Nas páginas seguintes, temos lá as fotos de Jean Reno, o mais hollywoodiano dos astros franceses, levando seu apoio a Sarkozy. E as do elenco de Indigènes (Tempo de Glória) fazendo campanha por Ségolène. Jamel Debbouze vestiu a camiseta. Conclama os jovens a votarem – ‘Se vocês não se preocuparem com a política, a política se ocupará de vocês’. E Debbouze faz uma declaração divertida – ‘Hoje em dia, Sarkozy me chama regularmente para jantar com ele. Em vão: tudo de que preciso, tenho no meu refrigerador.” A polarização é tanta que Robert Guédiguian, cineasta de Marselha, de filmes como A Cidade Está Tranqüiila e Le Dernier Mittérrand, sobre o ex-presidente socialista, o homem da rosa, bateu forte. ‘Claro que quero defender os jornalistas aprisionados em Cuba. Só não quero aparecer numa foto de apoio entre Catherine Deneuve e Sophie Marceau.’ Nenhuma das duas apóia candidatos de esquerda.