Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » ‘Sandra’!

Cultura

Luiz Carlos Merten

07 Novembro 2009 | 16h47

Cheguei ontem à noite em casa e encontrei a caixa com os novos lançamentos da Versátil. O DVD duplo de ‘Freud, Além da Alma’, a cinebiografia do pai da psicanálise por John Huston, filme decisivo na obra do cineasta, pois o liberou para fazer alguns de seus maiores filmes, incluindo o meu preferido, ‘Os Pecados de Todos Nós’. Só esse lançamento já seria glorioso, mas a Versátil, em novembro, está colocando nas lojas também o ‘Decálogo’ de Kieslowski, em outro DVD duplo e… Tem mais! Estou aqui na mão com o sonhado DVD de ‘Vagas Estrelas da Ursa’, de Luchino Visconti, com Claudia Cardinale como Sandra, a Electra do grande diretor. Ou seja, vamos ter assunto, e muito, para os próximos posts, mas não resisto a antecipar alguma coisa. Visconti rodava ‘O Leopardo’, seu segundo filme com a Cardinale (após ‘Rocco’), quando o produtor Franco Cristaldi, marido da estrela, lhe propôs, não importa o preço, que criasse um grande papel para ela. Essa eu ouvi da roteirista Suso Cecchi D’Amico. Visconti topou porque imediatamente deu-se conta de que ninguém, nem ele, oferecera à Cardinale um papel à altura de suas possibilidades. Um grande papel, sim, mas qual? Suso me contou que Visconti, Enrico Medioli e ela avaliaram 1001 possibilidades até que surgiu o nome de Electra. Visconti ficou fascinado pela ideia, erigindo a Cardinale em símbolo da consciência familiar, da fidelidade e da ordem. Por tudo isso, ela exige e pratica um crime tão atroz como aquele que foi vitimou seu pai. Visconti quis fazer uma tragédia contemporânea que respeitasse o clássico, exceto no personagem de Orestes, que vira um arrivista cínico, permitindo ao grande diretor abordar o incesto, que ele considerava o último tabu da modernidade. ‘Vagas Estrelas’ – o título alternativo é ‘Sandra’ – passa-se em Volterra, cidade ue está sendo destruída pela erosão. Só de pensar me vêm as imagens. E os sons – ‘Prelúdio, Coral e Fuga’, de César Franck. Que filme!