Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » ‘Robin Hood’ em Cannes

Cultura

Luiz Carlos Merten

26 Março 2010 | 14h10

Não sei se já havia comentado com vocês. Fui ver outro dia sei lá que filme no Arteplex e assisti a dois trailers. Um deles passo, muito obrigado, e é o ‘Ilha do Medo’, de Scorsese, quarta parceria do cineasta com o astro DiCaprio, que eu sei que muitos de vocês adoram. O outro me deixou em êxtase e eu trocaria de bom grado o filme que fui ver para assistir, antecipadamente, ao ‘Robin Hood’ de Ridley Scott, também uma quarta parceria (entre o diretor e Russell Crowe).  Assim como ‘Ilha do Medo’ foi para Berlim, Cannes anunciou há pouco que ‘Robin Hood’ vai abrir o festival deste ano, dia 12 de maio. Teremos entrevistas com Ridley Scott, Russell Crowe e Cate Blanchett? Espero que sim. Teria de pesquisar para saber, exatamente, quantos foram os Robin Hoods do cinema. O de Errol Flynn, direção de Michael Curtiz e William Keighley, nos anos 1930, permanece como o queridinho da crítica, mas eu admito que gostei do de Kevin Reynolds com Kevin Costner – e Morgan Freeman como o mouro -, da mesma forma que me encantou, na versão simultânea de John Irvin, para TV, a Lady Marian de Uma Thurman, que me pareceu a melhor de todas, mais até do que a de Olivia de Havilland. Escrevi isso e já estou me corrigindo. O melhor ‘Robin Hood’ e a melhor Lady Marian foram de Richard Lester e Audrey Hepburn, em ‘Robin e Marian’, uma maravilhosa releitura crepuscular do mito. E não devo me esquecer de ‘A Louca, Louca História de Robin Hood’, de Mel Brooks, que tinha seus momentos engraçados. Li, não sei onde, uma declaração de Ridley Scott, dizendo que o ladrão da floresta de Sherwood não foi um dos heróis de sua infância. Ele preferia caubóis (e westerns). O que o fez mudar de ideia foi o roteiro de Brian Helgeland. Esse cara co-escreveu ‘Los Angeles Cidade Proibida’ e o diretor Curtis Hanson e ele dividiram um Oscar mais do que merecido de melhor roteiro. Brian Helgeland escreveu e dirigiu ‘Coração de Cavaleiro’, com Heath Ledger, que é um dos meus prazeres ‘inconfessáveis’.  Já devo ter visto esse filme umas ‘trocentas’ vezes na TV paga. Quando estou zapeando e entra alguma imagem, paro tudo e vou até o fim, com aquele clipe de ‘We’re the Champions’. sei que é brega, mas fazer o quê? Me emociono. Como será o Robin Hood de Brian Helgeland? Ainda não vi, admito, e já gostei. Só se for muito, muito ruim para desgostar.