Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Quem sabe?

Cultura

Luiz Carlos Merten

04 Agosto 2010 | 15h37

Transcrevo parte de um e-mail que me enviou o Renato Hermsdorff, da assessoria de Cláudia Belém, a Belemcom. Vocês vão entender em seguidinha.

‘Oi, Merten, tudo bem? Vi que começou um festival de gângsteres e westerns ontem em SP, né? Pois então, adianto minha nova empreitada, depois de ‘O Bem Amado’. Um festival de faroeste no CCBB. Mas não é o faroeste clássico, ‘amigo’. A mostra se chama “Faroeste spaghetti: o bangue-bangue à italiana” e vai contar com 20 filmes do gênero – muito Sergio Leone, claro – a partir do dia 18 (ok, tá um pouquinho longe, ainda). O curador, Alexandre Sivolella (conhece?) pensou numa seleção que abordasse desde o surgimento do gênero até a ‘decadência’, quando começa a virar paródia e, depois comédia.’

Agora sou seu de novo, Merten. Numa passada d’olhos, o ciclo vai trazer ‘Keoma’, ‘Django’, ‘Sartana’, ‘Era Uma Vez no Oeste’ etc, com direito a debates sobre o western clásssico x spaghetti e o universo sonoro do faroeste italiano. Mas ainda não vai ser desta vez que teremos o mais político dos spaghetti westerns, ‘Quien Sabe?’, lançado no Brasil como ‘Gringo’, de Damiano Damiani, com Gian-Maria Volontè e Lou Castel, ou então outro cuja lembrança inflama meu imaginário. Será que ‘Quando os Brutos Se Defrontam’, Faccia a Faccia, de Sergio Sollima, com Volontè e Tomas Milian, é bom como me parece que era? Esse resgate do faroeste macarrônico não é novo. Há alguns anos, não muitos, Veneza promoveu uma grande retrospectiva do gênero. Alguma alma caridosa do consulado italiano, ou da embaixada, me enviou o catálogo, que deve estar aqui soterrado sob essa tonelada de papel na minha mesa. Se interessar, prometo fazer uma limpeza para tentar localizar. Se dependesse da crítica ‘tradicional’, o spaghetti western nunca teria saído do gueto. Leone, a exsceção que justifica a regra, só foi valorizado no terceiro spaghetti, quando já vinha comendo há tempos daquela tendência. Corbucci, Damianio, Sollima e tantos outros ainda aguardam reconhecimednto. Quem sabe?