Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Pôquer de Sangue

Cultura

Luiz Carlos Merten

29 Dezembro 2006 | 10h55

Embora o título seja o mesmo, o post não se refere ao western (Five Card Stud) de Henry Hathaway, com Dean Martin e Robert Mitchum, de 1968, do qual gosto bastante, embora ele carrregue a fama de ser o pior bangue-bangue do grande diretor. O pôquer de sangue aqui referido é do filme Cassino Royale, ao qual volto por um motivo muito simples – não sei se vocês repararam, mas aquela mesa que participa do jogo no cassino de Montenegro é o que há de cult. Tsai Chin, que faz Madame Wu, volta à série James Bond quase 40 anos após Com 007 Vive-Se Só Duas Vezes. Filha de um lendário ator chinês (Zhou Xinfang), ela fez também, na mesma época Blow-Up, do Antonioni, e mais recentemente foi vista em O Clube da Felicidade e da Sorte e Memórias de Uma Gueixa, embora sua praia seja mais o teatro, pelo qual ganhou, na Broadway, por Golden Boy, o prestigiado prêmio Obie. Todos aqueles atores na mesa são superconhecidos, mas você talvez não se lembre o nome deles. Tem o Ade, o gordão dos filmes de Guy Ritchie; o Tom So, da série Harry Potter (também presente em Filhos da Esperança); Urbano Barberini, um ator italiano de teatro, cinema e TV que deve estar naquele jogo por causa da participação dele em Terror na Ópera, de Dario Argento; e o argentino Charlie Levi Leroy, um roqueiro que virou cineasta e escritor, ganhando vários prêmios internacionais. Mas volte à mesa e preste atenção naquela velhota de óculos, Grafin Von Wallenstein. Há 40 anos, Richard Avedon disse que ela era a mulher mais bela do mundo e Antonioni acreditou, dando-lhe um papel importante, o dela mesma, em Blow-Up. Sim, senhores, é Verushka, com quem nasceu – com ela e Jean Shrimpton, que fez aquele filme cult, Privilégio, de Peter Watkins – o conceito de top model, nos anos 60.