Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Onde está meu irmão, que é filho único?

Cultura

Luiz Carlos Merten

07 Setembro 2007 | 11h17

Cheguei ontem em casa e havia uma mensagem de agradecimento de Elda Thereza Bettin Coltro, sensibilizada pelo post do outro dia, sobre a reforma do Marabá. Confesso que não sei lidar muito bem com essas coisas. Quando elogio, ou critico, não é pelo desejo de agradar e, muito menos, de ofender, mas porque estou exprimindo sentimentos sinceros. Ocorre que a imprensa tem um poder tão grande que o elogio e a crítica assumem, muitas vezes, dimensões muito maiores do que as que a gente pensa. Não há o que agradecer pelo apoio à reforma do Marabá. Só se eu fosse louco para ir contra. Nós, cinéfilos e amigos do Centro, estamos torcendo para que dona Elda – que um dia chamei carinhosamente de Barbie e ela entendeu que não era ofensivo – tenha sucesso e eu até insisto que o Adhemar Oliveira e o Leon Cakoff mirem-se no exemplo e aproveitem aqueles espaços do Ipiranga ou do Marrocos para criar um novo (ou novos) Arteplex. Fiquei muito impressionado com aquela maquete da Cinelândia paulistana que vocês podem conferir no Sesc Santo André, no evento Loucos por Cinema, que foi a capa do Caderno 2 de quarta-feira. O Centro de São Paulo já foi tão chique, com todos aqueles cinemas. Sei que essa é uma São Paulo que já se foi, mas existem coisas que podem ser recuperadas. No Rio, o Grupo Estação levantou a Cinelândia com a reforma do Odeon e, mais recentemente, do Palácio, que fornecem um eixo muito movimentado durante a realização do festival, que este ano começa dia 20. Mas, na verdade, quero chegar agora aos finalmentes – havia encontrado dona Elda, em Cannes, em maio, na Rue d’Antibes. Havia saído do cinema, depois de ver Il Mio Fratello È Figlio Unico. Estava emocionado com o filme do italiano Daniele Luchetti e, imediatamente, despejei meu verbo sobre dona Elda, sugerindo que ela, leia-se a Playarte, devia trazê-lo para o Brasil. Na mensagem, ela me informa que comprou Il Mio Fratello. Que responsa! Espero que vocês correspondam, quando o filme passar aqui. Outro dia, encontrei o André Sturm, da Pandora, no Pasquale – um movimentado restaurante italiano de Pinheiros –, e comentamos o sucesso de Medos Privados em Lugares Públicos e Um Lugar na Platéia nos cinemas dele, na rede HSBC Belas Artes. Com certeza existe um público alternativo à dominação de Hollywood. Aguardem – Meu Irmão É Filho Único.